VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Fevereiro 28 2017

Os primeiros combatentes portugueses na Flandres francesa

Há cem anos, depois de chegarem à Flandres, os combatentes do Corpo Expedicionário Português, para além do temor que a Guerra naturalmente lhes provocava, tiveram de enfrentar dificuldades acrescidas relacionadas com a temperatura demasiado baixa, a humidade muito elevada, línguas completamente estranhas (a dos ingleses, ao lado de quem foram combater; e a dos franceses, que era aquela em que comunicavam as populações locais) e mais de um mês de treino militar, orientado pelos aliados britânicos. Foi a antecipação destes obstáculos e complicações que levou à ocorrência de diversas insubordinações, no momento de embarque das tropas portuguesas.

Combatentes portugueses.png

Soldados portugueses na Frente de Combate na Flandres Francesa

 

Como vimos na última edição, no fim de janeiro de 1917, seguiram para França os primeiros combatentes portugueses. Para trás, ficavam meses de treino militar e nalguns casos já de combate, nas antigas colónias portuguesas, Moçambique e Angola.

A maioria, no entanto, era a primeira vez que se via nestas lides da guerra e certamente não comungava do mesmo estado de espírito que transparece da “Revista dos Sargentos Portugueses”, que no número 27, de 15 de fevereiro de 1917, afirmava que «o povo portuguez jamais recuou deante dos perigos, por maiores que eles fossem; jamais voltou as costas aos que o provocaram; jamais deixou de ir até ao sacrifício da própria vida, para defender os pactos que tenha firmado com os povos a quem se aliou para a vida e para a morte».

A instrução preliminar ocorrera em quartéis de maior proximidade com as regiões de onde vinham os soldados, nomeadamente, no Norte: Covilhã, Guarda, Lamego e Viseu, e no Centro: Abrantes, Castelo Branco, Leiria e Tomar. Aí, os jovens recrutados e aqueles que se voluntariaram para o serviço militar, receberam treino, entre os meses de Fevereiro e Março de 1916.

Daí seguiram para Tancos que se tornou “ponto de encontro” para cerca de 20 mil homens, instalados provisoriamente num “mar” de tendas, enquanto os graduados se acomodavam em numerosas construções de madeira. E foi nessas condições que decorreu o “Milagre de Tancos” que em pouco tempo pretendeu preparar os homens para a Guerra, na Frente Ocidental.

Quando a instrução em Tancos terminou, os homens feitos soldados, regressaram aos quartéis de onde tinham vindo, ficando a aguardar a ordem de seguirem para França. Como os quartéis não podiam acomodá-los a todos em condições minimamente aceitáveis, os responsáveis militares concederam-lhes licenças registadas, em que puderam regressar a casa, às suas famílias, voltando, muitos deles, às antigas ocupações que conheciam bem.

Mas à medida que ficava mais próxima a “guia de marcha” para a Guerra, a desmoralização aumentava e alguns, também estimulados pelas famílias, resistiram. E quanto mais se aproximava a hora do embarque maior era a resistência. Houve alguns que fugiram para Espanha, outros que reivindicaram lesões e doenças e ainda houve casos de deserções. Até o momento do transporte foi conturbado. Registaram-se diversas insubordinações em todo o país.

Do sítio da internet, http://www.momentosdehistoria.com/, retirámos a informação que se segue, de insubordinações que ocorreram um pouco por todo o país, nos anos de 1916 e de 1917, contra o embarque dos soldados portugueses para a França.

«Covilhã (Junho de 1916)

Insubordinação grave que aconteceu no Regimento n.º 21, da Covilhã, que por volta de Junho de 1916, levou, nos termos do Regulamento Disciplinar, ao envio compulsivo de 342 praças, incluindo 8 sargentos, de castigo para África.

Lisboa (Dezembro de 1916)

O motim em Lisboa, a 13 de Dezembro de 1916, foi conduzido por Machado Santos, herói da Rotunda de 1910, que fez atrasar o embarque do Corpo Expedicionário Português para França e originou a substituição dos oficiais implicados no levantamento. 

Com este motim o CEP perdeu três comandantes de Brigada e dois Coronéis que passaram à reserva em consequência desta situação.

Leiria (Janeiro de 1917)

O motim em Leiria, em Janeiro de 1917, deu-se quando as tropas do Batalhão de Infantaria n.º 7, de Leiria, tentaram dificultar o embarcar no comboio que os iria levar até Lisboa e tentaram não embarcar no cais de Alcântara, mas os próprios oficiais conseguiram controlar e ultrapassar as situações.

Santarém (Janeiro de 1917)

O motim em Santarém, em Janeiro de 1917, deu-se quando os oficiais do Batalhão de Infantaria n.º 34, de Santarém, se recusaram a embarque no comboio para Lisboa, o que levou à detenção e presídio destes. O perigo de propagar a desmotivação e a indisciplina a outras unidades militares levou a que este Batalhão não fosse enviado para França.

Penafiel (Julho de 1917)

O motim mais grave de resistência à ordem de marcha aconteceu em Penafiel, a 1 de Julho de 1917, quando o Batalhão de Infantaria n.º 32, de Penafiel,  se recusou a apresentar no quartel de modo a boicotar o transporte para Lisboa. Esta situação só foi controlada 13 dias depois e após a intervenção da Guarda Nacional Republicana.

Lisboa (Julho de 1917)

Outros motins aconteceram mesmo dentro do cais de embarque em Alcântara, como no caso da insubordinação dos praças do Batalhão de Infantaria n.º 9, de Lamego, que se recusaram a embarcar nos navios aproveitando a incapacidade de comando dos seus oficiais.

Os processos de transporte de tropas para França foi sempre problemático, tendo ocorrido diversos casos de recusa de embarque nos comboios de transporte para Lisboa e de recusa de embarque nos navios para França. A isto acrescentaram-se casos de deserção de praças, e sobretudo oficiais, durante o período de marcha para Lisboa e mesmo já durante o período de tempo em que aguardavam o embarque para França nos quartéis de capital.

Lisboa (Dezembro 1917)

Motim do Batalhão de Infantaria n.º 33, de Lagos, que se encontrava em Lisboa para embarque para França no final de Novembro, mas como o transporte "NRP Pedro Nunes" se demorou em Brest, este ainda se encontrava em Lisboa a 5 de Dezembro. Envolveu-se no movimento revolucionário de Sidónio Pais, auxiliando o derrube do Governo.»

Depois de uma curta estadia em Brest, porto de desembarque das tropas portuguesas, seguia-se o transporte, de comboio, até à região de “Aire”, zona destinada às tropas do CEP.

E foi num clima agreste, de neve, chuva e frio, língua e costumes tão diferentes dos seus, que as tropas portuguesas tiveram de suportar mais de um mês de treino complementar, junto do exército britânico, para se poderem “familiarizar” com as armas inglesas com que iam combater e com as novas formas da guerra que iam conhecer de perto.

publicado por viajandonotempo às 22:24

Janeiro 31 2017

Embarque de tropas portuguesas para a Primeira Guerra Mundial, na Europa

Embarque de tropas portuguesas para a Primeira Gue

Há cem anos, em finais de janeiro de 1917, na barra do Tejo, estavam embarcados os primeiros soldados portugueses, centenas deles, que no início de fevereiro começariam a chegar a Brest, porto francês de desembarque das nossas tropas.

O transporte dos nossos militares para França foi uma das grandes dificuldades reais com que Portugal se debateu para concretizar a participação lusa no teatro de guerra europeu. O transporte só era viável por mar, uma vez que por terra punha em causa a neutralidade espanhola, e como não dispúnhamos de suficientes meios navais de transporte, solicitámos à Inglaterra que pusesse à nossa disposição alguns dos seus navios de transporte.

Mesmo assim, os navios cedidos não eram adequados à sua finalidade, uma vez que haviam sido concebidos para a realização de viagens de três horas, que era quanto demorava a ligação entre a Inglaterra e a França, enquanto a viagem que iam fazer entre Lisboa e Brest demorava três dias. Por isso, estes barcos não estavam minimamente preparados para as pessoas dormirem ou para aí serem confecionadas as refeições.

Para agravar esta situação, os primeiros soldados a embarcar permaneceram nos barcos cerca de 10 dias, frente ao Terreiro do Paço e só no dia 31 de janeiro, cerca das 19 horas, é que partiram em direção ao seu destino.

Nesse período de espera para a Guerra, houve um episódio no Tejo, que divertiu os soldados – as acrobacias de um aeroplano pilotado por um português. O jornal “A Capital”, de domingo, dia 28 de Janeiro de 1917, página 1, sob os títulos “Aeroplanos que atacam comboios de tropas / Como se explica a audacia e a habilidade do tenente de marinha portuguesa Caseiro” dá a notícia:

«Na passada segunda feira, o aviador portuguez, tenente de marinha Caseiro, demonstrando uma audacia grande e uma excepcional habilidade de piloto de aeroplanos, veiu da escola de Vila Nova da Rainha de viagem até Lisboa e “passeou” sobre a cidade a alturas varias que, por vezes, chegaram a ser inferiores a 80 metros sobre os telhados da casas.

Depois, executando multiplas espiraes, procurando conhecer as condições atmosphericas e encontrando-as favoraveis, desceu até 15 metros do nivel do Tejo e evolucionou em volta dos transportes de tropas, em “zigzags” impressionantes! Os soldados saudavam a passagem do aeroplano portuguez com vivas e palmas. / O corajoso aviador desceu ainda mais, quasi a 10 metros da agua! Ao passar pelo submersivel “Espadarte” o tenente Caseiro saudou de viva voz o seu comandante (…)».

Ainda relativamente às condições em que eram transportados os nossos combatentes, um dos militares graduados descreveu o seu alojamento no barco como «(...) uma espécie de jazigo com duas prateleiras de lona sobrepostas de cada lado e um pequeno lavatório ao meio» e a comida era «(...) comida inglesa, quase sempre cheirando a cebo das botas.»Os praças ainda conheciam piores condições, muitos deles tinham de dormir no chão, espalhando-se pelos corredores.

A 1.ª leva de combatentes do CEP (Corpo Expedicionário Português), que foi desembarcando ao longo de todo o mês de Fevereiro, totalizou cerca de 12 mil e 500 soldados, transportados em 9 navios (2 portugueses, Pedro Nunes e Gil Eanes e 7 ingleses, Bellerophon, City of Banares, Inventor, Bohemian, Rhesus, Flavia e Lasmedon), tendo chegado nas seguintes datas a Brest, no dia 2 de Fevereiro, 4 navios; no dia 19 de Fevereiro, 2 navios; no dia 20 de Fevereiro, 1 navio; no dia 21 de Fevereiro, 2 navios; no dia 25 de Fevereiro, 3 navios; e no dia 26 de Fevereiro, 1 navio.

Para as escoltas aos vários “comboios” que se formaram para transporte de tropas, o Governo Britânico disponibilizou 14 contratorpedeiros que realizaram dezenas de viagens. De facto, o trajecto de 3 dias de viagem, entre Lisboa - Brest era realizado sob o perigo constante de minas e ataques de submarinos alemães.

Ao longo de um ano, até fevereiro de 1918, embarcariam sempre mais soldados portugueses para a Frente de Guerra, totalizando mais de 58 mil. Em março de 1917, foram 6 610; em abril de 1917, 8 269; em maio de 1917, 8 076; em julho de 1917, 7 196; em agosto de 1917, 7 590; em setembro de 1917, 2 620; em outubro de 1917, 2 048; em novembro de 1917, 792; em janeiro de 1918, 526; e em fevereiro de 1918, 1 836.

 

 

publicado por viajandonotempo às 20:57

Dezembro 27 2016

"Tratado de Commercio entre El-Rei. D. Pedro II de Portugal e Anna Rainha de Gram Bretanha"

john Methuen.png

John Methuen, o embaixador inglês em Lisboa, no princípio do séc. XVIII, que se encarregou de negociar a assinatura do Tratado que ficou com o seu nome

 

Em 27 de dezembro de 1703, há 313 anos, foi assinado, entre Portugal e a Inglaterra, o Tratado de comércio que ficou com o nome do embaixador inglês John Methuen, irmão de um empresário têxtil, que o negociou, ficando-lhe a “fama” de ter pago elevados valores aos que intervieram direta e indiretamente na sua concretização. Da parte portuguesa, estiveram mais diretamente envolvidos na elaboração dos seus termos, o diplomata português em Londres, D. Luís da Cunha e D. Manuel Teles da Silva, o 1.° Marquês de Alegrete, Vedor da Fazenda, que era proprietário vinícola.

Este tratado que tinha também objetivos de ordem militar, consolidando a velha aliança entre Portugal e a Inglaterra, obedecia sobretudo a imperativos de ordem económica, até porque Portugal intensificava a exploração de ouro no Brasil e, com este tratado, a Inglaterra conseguiria cada vez maiores superavits nas contas com Portugal, que tinham de ser ressarcidos em ouro.

De facto, o Tratado de Methuen não pode ser descontextualizado da sua conjuntura histórica, uma vez que também pretende solucionar questões geoestratégicas do interesse de Portugal. Assim, ele vem fortalecer os Tratados de Aliança defensiva e de aliança ofensiva e defensiva, assinados em 16 de maio de 1703, junto às potências da Grande Aliança – Inglaterra, Províncias Unidas e Sacro Império – que procuram resolver a questão de segurança imposta pela Guerra de Sucessão Espanhola, em que Portugal esteve envolvido.

Os 3 artigos do Tratado de Comércio entre El-Rei D. Pedro II de Portugal e Ana Rainha da Grã Bretanha estabeleciam:

«Art. 1. Sua Sagrada Magestade ElRey de Portugal promette tanto em Seu próprio Nome, como no de Seus Sucessores, de admitir para sempre d’aqui em diante no Reyno de Portugal, os Panos de lãa, e mais fabricas de lanifício de Inglaterra, como era costume até o tempo que forão prohibidos pelas Leys, não obstante qualquer condição em contrario. Art. II. He esitpulado, que Sua Sagrada e Real Magestade Britannica, em Seu próprio Nome, e no de Seus Successores será obrigada para sempre, d’aqui em diante, de admittir na Gram Bretanha os Vinhos do producto de Portugal, de sorte que em tempo algum (haja Paz ou Guerra entre os Reynos de Inglaterra e de França) não se poderá exigir de Direitos de Alfandega nestes Vinhos, ou debaixo de qualquer outro Título, directa ou indirectamente, ou sejam transportados para Inglaterra em Pipas, Toneis, ou qualquer outra vasilha que seja; mais que o que se costuma pedir para igual quantidade, ou de medida de Vinho de França, diminuindo ou abatendo huma terça parte do Direito de costume. Porem, se em qualquer tempo esta dedução, ou abatimento de Direitos, que será feito, como acima he declarado, for por algum modo infringido e prejudicado, Sua Sagrada Majestade Portuguesa poderá, justa e legitimamente, prohibir de lãa, e todas as mais fabricas de lanifício de Inglaterra. Art III. Os Ex.ᵐᵒˢ Senhores Plenipotenciarios promettem, e tomão sobre si, que Seus Amos acima mencionados ratificarão este Tratado, e que dentro do temo de dous Mezes se passarão as Ratificações.»

Neste tempo a doutrina económica em voga, o denominado mercantilismo, defendia que a riqueza de um país se media na quantidade de metais preciosos que possuísse. Assim, quem não tinha ouro ou prata no território que controlava, tentava investir na produção interna em quantidades excedentárias para poder exportar em maior valor do que importava e assim receber a diferença em metais preciosos.

Portugal viveu na 2.ª metade do século XVII uma situação comercial particularmente crítica, com a descida do preço do açúcar e tabaco brasileiros nos mercados europeus; esta crise agravou-se na década de 1670 devido à concorrência do açúcar produzido, então, nas Antilhas inglesas e holandesas o que levou o Conde de Ericeira, D. Luís de Meneses, a implementar um conjunto de medidas com o objetivo de proteger a nossa economia. Algumas destas medidas foram a Pragmática de 1677, a introdução de indústrias manufatureiras, a concessão de créditos para a sua instalação, a criação de companhias monopolistas de comércio, a promulgação ainda de novas leis pragmáticas, a política de desvalorização monetária e o incentivo e proteção às indústrias.

Grande parte das medidas implementadas promoveu a produção manufatureira nacional, dando trabalho aos portugueses e poupando a balança comercial portuguesa no que respeita ao custo das importações. Como afirmava Duarte Ribeiro de Macedo «A importância da circulação do dinheiro na sociedade é igual à circulação do sangue no corpo humano», daí a relevância deste investimento nas indústrias nacionais.

Estas iniciativas acabaram por fracassar e para isso muito contribuiu o Tratado de Methuen, nos termos que atrás se viram, porque Portugal abriu a sua economia à livre importação dos têxteis britânicos que chegavam ao mercado português pagando apenas 2/3 de direitos alfandegários, em troca de igual privilégio fiscal para os vinhos portugueses que seguiam para Inglaterra. É óbvio que tal tratado se evidenciaria mais favorável aos interesses ingleses do que aos interesses portugueses, 1.º, porque os seus produtos eram unitariamente mais caros que os nossos; e 2.º, porque nós poderíamos, sem grandes dificuldades, produzir aqui os têxteis que importávamos (como se fizera no período da crise), mas os ingleses, mesmo que o tentassem, não podiam produzir na Inglaterra vinhos iguais aos nossos, por razões climáticas. Segundo Coelho da Rocha, logo no primeiro ano de vigência deste tratado as exportações inglesas para Portugal “subiram no valor de 1 300 000 libras”, ou seja 13 milhões de cruzados.

Mais tarde, o Marquês de Pombal adotaria políticas mercantilistas e protecionistas na agricultura, no comércio e na indústria e o Setembrismo, triunfante em 1836, tomou igualmente medidas protecionistas para a economia portuguesa que puseram definitivamente um fim ao Tratado de Methuen.

publicado por viajandonotempo às 10:48

Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27


ÍNDICE DESTE BLOG:
Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
subscrever feeds
blogs SAPO