VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Fevereiro 01 2010

 

A Revolta Republicana de
31 de Janeiro de 1891
 
31dejaneiro.png
Rua 31 de Janeiro no Porto
 
Completaram-se no passado domingo 119 anos sobre a primeira tentativa de implantação da República em Portugal. Foi no coração do Porto, no dia 31 de Janeiro. A evocação desta efeméride assumiu este ano a maior relevância pelo facto de ser o ano do Centenário da República. O programa das Comemorações no Porto foi bastante rico e contou com a presença do chefe de Estado e do Governo.
Os revolucionários do “31 de Janeiro” não conseguiram os seus intentos, mas espalharam a semente revolucionária que havia de germinar 19 anos mais tarde, a 5 de Outubro de 1910.
 No Porto tinha triunfado, 71 anos antes, a Revolução Liberal (24 de Agosto de 1820) e os utópicos republicanos do final de oitocentos achavam que havia de ser na mesma cidade que se teria de hastear também, pela primeira vez, a bandeira republicana. E assim foi, de facto. Por alguns momentos na Praça de D. Pedro (actual Praça da Liberdade), no antigo edifício da Câmara Municipal do Porto esteve içada a bandeira do Partido Republicano, enquanto o Dr. Aves da Veiga (licenciado em Direito na Universidade de Coimbra), uma das figuras mais destacadas do 31 de Janeiro, se dirigia ao povo que ali se concentrara, desde a varanda da fachada principal dos Paços Municipais, proclamando a República e divulgando a constituição do novo governo.
praadpedro.png
Praça de D. Pedro, coração da cidade e da tentativa revolucionária, em 31-1-1891 
 
O Governo Provisório da República tinha a seguinte constituição: Rodrigues de Freitas, Joaquim Bernardo Soares, José Maria Correia da Silva, Joaquim Azevedo Albuquerque, José Ventura dos Santos Reis; Licínio Pinto Leite, António Joaquim de Morais Caldas e Alves da Veiga.
A capital do Norte era, efectivamente, um dos centros de maior dinamismo conspirativo contra a Monarquia decadente que juntava, entre outros descontentes, estudantes, militares, jornalistas e juristas.
          Naquela madrugada o Batalhão de Caçadores 9, constituído sobretudo por sargentos (entre o punhado de oficiais que participaram, destacaram-se o capitão Leitão e o alferes Malheiros), dirigiu-se aos antigos Paços do Concelho do Porto (hoje esse edifício não existe, foi demolido para construir a Avenida dos Aliados), aclamando e vitoriando a República. Para além do Dr. Alves da Veiga, tiveram um envolvimento empenhado no movimento revolucionário do Porto, João Chagas, Basílio e Bruno Teles.
Nos primeiros instantes, a vitória parecia estar do lado dos revoltosos, mas entretanto houve uma surpreendente reviravolta. Quando as tropas revolucionárias, constituídas por militares e civis, subiam a Rua de Santo António (actual 31 de Janeiro), para tentarem a aliança da guarda municipal, esta disparou sobre os revoltosos. Estes recuaram e refugiaram-se no edifício da Câmara, mas não conseguiram evitar a derrota. Para ela muito terá contribuído também a transferência, poucos dias antes, de alguns quadros superiores do exército estacionado no Porto para outros quartéis do país. Assim, foi mais fácil à guarda municipal conseguir reagir com eficácia e suster o movimento, acabando por frustrar a tentativa revolucionária. Seguiu-se, naturalmente, a repressão sobre os revoltosos, na sua maioria militares (alguns oficiais, mas muito mais sargentos e soldados) que foram levados para bordo de navios ancorados no porto de Leixões, onde seriam julgados por Conselhos de Guerra e condenados a penas entre 18 meses e 15 anos de prisão mais de duas centenas de pessoas.
A Revolta Republicana da madrugada de 31 de Janeiro de 1891 no Porto foi ainda, e sobretudo, uma reacção da alma patriótica republicana ao humilhante Ultimato Inglês de 11 de Janeiro de 1890. Várias vilas e cidades do País estavam preparadas para aderirem, de imediato, ao movimento e proclamarem a República nos respectivos municípios. Mas, a notícia do fracasso arrefeceu os ânimos e foi preciso esperar quase mais vinte anos para que o sonho republicano se tornasse realidade.
O Directório Republicano em 1891, após a realização de um Congresso do partido a 5, 6 e 7 de Janeiro desse ano, era constituído por:Manuel de Arriaga, Sebastião de Magalhães Lima, Bernardino Pinheiro, Manuel Jacinto Nunes, Francisco Azevedo e Silva, Francisco Homem Cristo e Teófilo Braga. Para a Junta Consultiva do partido foram eleitos:Latino Coelho, Elias Garcia, Rodrigues de Freitas, Zófimo Consiglieri Pedroso, Teixeira de Queirós, Bettencourt Rodrigues e Sousa Brandão.
No dia 30 de Janeiro a comissão revolucionária, no Porto, decidiu avançar com o levantamento das tropas da cidade nas horas seguintes. Quem eram os principais líderes da revolta?Sampaio Bruno, João Chagas, Alves da Veiga, Santos Cardoso, alferesMalheiro, capitãoLeitão, tenenteManuel Maria Coelho[na época], foram os principais responsáveis pela tentativa revolucionária.
Alguns dos heróis do 31 de Janeiro de 1891
dralvesdaveiga.png
Dr. Alves da Veiga
 
capitoleito.png
Capitão Leitão
 
alferesmalheiro.png
Alferes Malheiro
 
publicado por viajandonotempo às 09:08

Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27



ÍNDICE DESTE BLOG:
Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO