VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Abril 28 2013

O 39º ANIVERSÁRIO DA REVOLUÇÃO


«Abril só se cumprirá quando todos os portugueses tiverem o mínimo para viver com dignidade, na sua terra, e sem terem de sobreviver com o credo na boca ou a mão estendida à caridade»

 

Celebrou-se, no passado dia 25 de abril, o 39.º aniversário da última revolução que ocorreu em Portugal. Militares, políticos da oposição, cantores de intervenção, jovens e a população em geral, vieram todos “gritar” para a rua, a plenos pulmões, que o povo era então “quem mais ordena”!

A liberdade, há tantos anos reprimida, voltava a ser palavra de “ordem”. De reivindicação perseguida e coarctada, em tantos casos com a morte, tornava-se então uma conquista plenamente concretizada.

É verdade que nem tudo correu como se desejava. O período do PREC trouxe, a quem o viveu, reais momentos de angústia. Mas, a democracia, conforme era entendida no bloco ocidental (não podemos esquecer que o mundo ainda vivia a guerra fria e Portugal até estava, e ainda está, ligado à Nato de que foi um dos países fundadores) acabou por ficar, consolidada no articulado da Constituição.

O povo português voltou a acreditar no direito à vida plena.

A liberdade permitiu retirar o véu cinzento com que a verdade nos era dissimulada; os soldados portugueses puderam regressar às suas casas e ao seio das suas famílias; os povos africanos puderam tornar-se independentes. E Portugal, virando-se, também, para a Europa pôde almejar integrar a CEE. Ao nível do poder local, as autarquias passaram a dispor de meios que nunca tinham tido.

E o resultado vê-se hoje de lés-a-lés de Portugal. O país está irreconhecível se comparado como o de há 40 anos atrás. As terras e as pessoas têm uma vida mais digna.

Mas, infelizmente, os últimos anos puseram a descoberto uma crise de que não se conhecem bem os contornos, nem o princípio, nem o fim.

Parece ter sido financeira, mas é sobretudo económica, política e social! As pessoas têm sofrido, com números nunca vistos, o problema do desemprego. Os jovens concluem os cursos, que ajudamos a pagar com os nossos impostos e vão ficar ao serviço de outros povos que assim beneficiam diretamente de uma mais-valia cujos custos fomos nós que suportámos! E se Portugal está mal, com esta debandada, da gente jovem, culta e dinâmica, ainda fica pior.

As pessoas que fazem sacrifícios continuam a ver que outros concidadãos seus não sofrem qualquer espécie de “corte” nos seus largos rendimentos, e alguns até com culpas no cartório, pelo estado de coisas a que chegámos! E isso alimenta uma revolta que começa a deixar de ser “surda e muda”.

No dia 25 de abril muita gente saiu à rua – mas esperava-se até que fosse em maior número – para reivindicar “igualdade”, “justiça”, “trabalho” e “pão”. No fundo, para pedir aquilo que a Lei fundamental, escrita depois de abril, consubstancia.

E os políticos não podem afastar-se do querer do povo, deviam ser, aliás, os primeiros executores da sua vontade, pois é por vontade do povo que eles chegam ao exercício do seu cargo.

Não podem enveredar por uma política neoliberal que esquece os grupos sociais mais fragilizados; nem por uma política de proteção do grande capital sacrificando o presente e adiando o futuro do país e das novas gerações.

Consenso, justiça, igualdade, humanismo e solidariedade têm de ser preocupações constantes de quem nos governa e não apenas promessas vãs e conjunturais de momentos de campanha.

Abril só se cumprirá quando todos os portugueses tiverem o mínimo para viver com dignidade, na sua terra, e sem terem de sobreviver com o credo na boca ou a mão estendida à caridade.


publicado por viajandonotempo às 09:42

Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30


ÍNDICE DESTE BLOG:
Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO