VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Janeiro 31 2017

Embarque de tropas portuguesas para a Primeira Guerra Mundial, na Europa

Embarque de tropas portuguesas para a Primeira Gue

Há cem anos, em finais de janeiro de 1917, na barra do Tejo, estavam embarcados os primeiros soldados portugueses, centenas deles, que no início de fevereiro começariam a chegar a Brest, porto francês de desembarque das nossas tropas.

O transporte dos nossos militares para França foi uma das grandes dificuldades reais com que Portugal se debateu para concretizar a participação lusa no teatro de guerra europeu. O transporte só era viável por mar, uma vez que por terra punha em causa a neutralidade espanhola, e como não dispúnhamos de suficientes meios navais de transporte, solicitámos à Inglaterra que pusesse à nossa disposição alguns dos seus navios de transporte.

Mesmo assim, os navios cedidos não eram adequados à sua finalidade, uma vez que haviam sido concebidos para a realização de viagens de três horas, que era quanto demorava a ligação entre a Inglaterra e a França, enquanto a viagem que iam fazer entre Lisboa e Brest demorava três dias. Por isso, estes barcos não estavam minimamente preparados para as pessoas dormirem ou para aí serem confecionadas as refeições.

Para agravar esta situação, os primeiros soldados a embarcar permaneceram nos barcos cerca de 10 dias, frente ao Terreiro do Paço e só no dia 31 de janeiro, cerca das 19 horas, é que partiram em direção ao seu destino.

Nesse período de espera para a Guerra, houve um episódio no Tejo, que divertiu os soldados – as acrobacias de um aeroplano pilotado por um português. O jornal “A Capital”, de domingo, dia 28 de Janeiro de 1917, página 1, sob os títulos “Aeroplanos que atacam comboios de tropas / Como se explica a audacia e a habilidade do tenente de marinha portuguesa Caseiro” dá a notícia:

«Na passada segunda feira, o aviador portuguez, tenente de marinha Caseiro, demonstrando uma audacia grande e uma excepcional habilidade de piloto de aeroplanos, veiu da escola de Vila Nova da Rainha de viagem até Lisboa e “passeou” sobre a cidade a alturas varias que, por vezes, chegaram a ser inferiores a 80 metros sobre os telhados da casas.

Depois, executando multiplas espiraes, procurando conhecer as condições atmosphericas e encontrando-as favoraveis, desceu até 15 metros do nivel do Tejo e evolucionou em volta dos transportes de tropas, em “zigzags” impressionantes! Os soldados saudavam a passagem do aeroplano portuguez com vivas e palmas. / O corajoso aviador desceu ainda mais, quasi a 10 metros da agua! Ao passar pelo submersivel “Espadarte” o tenente Caseiro saudou de viva voz o seu comandante (…)».

Ainda relativamente às condições em que eram transportados os nossos combatentes, um dos militares graduados descreveu o seu alojamento no barco como «(...) uma espécie de jazigo com duas prateleiras de lona sobrepostas de cada lado e um pequeno lavatório ao meio» e a comida era «(...) comida inglesa, quase sempre cheirando a cebo das botas.»Os praças ainda conheciam piores condições, muitos deles tinham de dormir no chão, espalhando-se pelos corredores.

A 1.ª leva de combatentes do CEP (Corpo Expedicionário Português), que foi desembarcando ao longo de todo o mês de Fevereiro, totalizou cerca de 12 mil e 500 soldados, transportados em 9 navios (2 portugueses, Pedro Nunes e Gil Eanes e 7 ingleses, Bellerophon, City of Banares, Inventor, Bohemian, Rhesus, Flavia e Lasmedon), tendo chegado nas seguintes datas a Brest, no dia 2 de Fevereiro, 4 navios; no dia 19 de Fevereiro, 2 navios; no dia 20 de Fevereiro, 1 navio; no dia 21 de Fevereiro, 2 navios; no dia 25 de Fevereiro, 3 navios; e no dia 26 de Fevereiro, 1 navio.

Para as escoltas aos vários “comboios” que se formaram para transporte de tropas, o Governo Britânico disponibilizou 14 contratorpedeiros que realizaram dezenas de viagens. De facto, o trajecto de 3 dias de viagem, entre Lisboa - Brest era realizado sob o perigo constante de minas e ataques de submarinos alemães.

Ao longo de um ano, até fevereiro de 1918, embarcariam sempre mais soldados portugueses para a Frente de Guerra, totalizando mais de 58 mil. Em março de 1917, foram 6 610; em abril de 1917, 8 269; em maio de 1917, 8 076; em julho de 1917, 7 196; em agosto de 1917, 7 590; em setembro de 1917, 2 620; em outubro de 1917, 2 048; em novembro de 1917, 792; em janeiro de 1918, 526; e em fevereiro de 1918, 1 836.

 

 

publicado por viajandonotempo às 20:57

Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


ÍNDICE DESTE BLOG:
Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO