VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Maio 30 2014

A LUTA CONTRA A DITADURA MILITAR EM 31-5-1931

 

[Foto in: http://irenepimentel.blogspot.pt/2011/03/o-ano-turbulento-de-1931-em-portugal.html, disponível em 3 de maio de 2014]

 

 O 1.º de maio de 1931, em Portugal, foi uma jornada de luta contra a Ditadura Militar, que envolveu estudantes universitários, políticos da oposição e operários anarco-sindicalistas e comunistas.

Embora a manifestação fosse mais forte em Lisboa, teve repercussões noutras cidades, designadamente no Porto e em Coimbra.

A edição do «Avante!» de 6 de junho de 1931, começava, assim, a notícia da comemoração desse 1.º de maio em Lisboa: «O 1.º de Maio de 1931 em Lisboa, marca uma página brilhante da luta do proletariado contra a burguesia (...)».

O 1.º de Maio de há 83 anos foi mais uma frente de guerrilha política, a juntar às Revolta da Madeira (só solucionada a 2 de maio) e à Revolta na Guiné (com a rendição dos revoltosos a ocorrer apenas a 6 de maio).

O jornal “Diário de Lisboa” do dia 2 de maio de 1931, na última página, que dedica inteiramente a este assunto, com o título “Sublevação da Madeira” e o subtítulo “Os revoltosos do Funchal renderam-se hoje, ás 9 horas, sem condições”, começa assim:

«Conforme noticias recebidas esta manhã pelo Govêrno, da base de operações contra os revoltosos da Madeira, estabelecida em Porto Santo, sabe-se que os rebeldes do Funchal, enviaram ao sr. Ministro da Marinha um radio, comunicando-lhe que se rendiam em virtude da superioridade numérica e de material das forças governamentais, e para evitar que houvesse vitimas entre a população civil da ilha.

Os rebeldes julgaram, deste modo, inútil prosseguir uma luta em que tinham poucas probabilidades de vencer, resolvendo entregar-se ás autoridades constituídas anteriormente á rebelião.

A Republica vive no coração de todos os que a servem, segundo a sua posição, e com ela, a Patria precisa tranquilidade, pois o instinto nunca lhe faltou para resolver os seus destinos, até nas horas mais delicadas».

No dia 25 de abril de 1931, a movimentação estudantil tinha-se iniciado com uma greve na faculdade de Medicina de Lisboa, que provocou bastante agitação no meio académico, que rapidamente se propagaria às universidades de Coimbra e do Porto, extravasando para a rua.

No dia 30 de abril, a multidão que se juntou no funeral do estudante portuense João Martins Branco (que faleceu durante os confrontos com a polícia nos dias anteriores) manifestou-se claramente contra os métodos policiais usados pela Ditadura. Por isso, o último dia de abril e o primeiro de maio daquele ano foram de enorme agitação estudantil e popular em Lisboa e no Porto.

Os estudantes universitários apoiavam a luta que se travava contra a Ditadura, na Madeira e na Guiné, acreditando que o retorno à República seria melhor para o povo e para o país.

Em Lisboa, nas ruas da Baixa e sobretudo no Campo de Santana, a balbúrdia desse 1.º de Maio foi enorme. Foram distribuídos manifestos estudantis e de organizações operárias. Elementos anarco-sindicalistas e comunistas envolveram-se também.

O povo concentrou-se no Rossio, para celebrar o 1.º de Maio, mas a GNR dispersou os manifestantes. Passados alguns minutos, rebentou uma bomba nas imediações daquela praça a que se seguiram mais dois rebentamentos que lançaram o pânico.

A iluminação esteve apagada durante a noite e, às 23 horas, a polícia mandou fechar os estabelecimentos comerciais ainda abertos (cf. Diário de Lisboa, de 2 de Maio de 1931).

Só nas instituições de saúde de Lisboa, no dia 1 de maio, foram socorridas 26 pessoas (21 homens e 5 mulheres), sendo de admitir que o número de feridos fosse maior, mas para não terem de se identificar, alguns preferiram tratar-se junto da família. Destas quase três dezenas de feridos oficiais, viriam a falecer 4 homens (3 no Hospital de S. José e 1 no Hospital de S.ta Maria).

No Porto, o 1.º de Maio decorreu com normaldidade até meio da tarde, depois, registaram-se incidentes que provocaram ferimentos em pelo menos um agente das forças policiais e em diversos populares (o Diário da Manhã, de 2 de Maio, refere cerca de 20 feridos), o que levou as autoridades a mandar encerrar todos os estabelecimentos.

Os tumultos revolucionários de apoio aos revoltosos da Madeira ocorreram noutras partes do país, quase sempre provocados por elementos considerados extremistas e próximos dos comunistas e dos anarco-sindicalistas.

O Diário da Manhã de 4 de maio noticia “mais uma tentativa de descarrilamento próximo de Pombal” (Linha do Norte), mas antes já se haviam registado descarrilamentos no Porto, na Figueira da Foz e noutras localidades.

No princípio de maio de 1931, a polícia conseguiu fazer uma importante apreensão de bombas, espingardas e material de guerra, em Lisboa e Alverca. Até os taxistas da capital colaboraram neste rebuliço com uma greve.

Em suma, o 1.º de maio de 1931 foi uma jornada de luta, inequivocamente, a favor dos revoltosos e contra a Ditadura. Houve bastante protagonismo, nestes tumultos, por parte dos estudantes universitários, mormente das faculdades de Medicina e de Direito. Registaram-se pelo menos quatro mortos, cerca de uma centena de feridos nos confrontos com as polícias e dezenas de prisões. Mas verificou-se, também, que a oposição não estava só nas Academias. Havia outras organizações por detrás da desordem, conforme explica Raúl Rêgo (História da República, página 181): «como se a oposição à ditadura tivesse bases ideológicas que não apenas atitudes individuais ou profissionais».

Felizmente, vivemos hoje em democracia e, desde 1974, em cada 1.º de Maio as pessoas podem manifestar-se pacificamente e dar largas às suas reais preocupações que, infelizmente, são cada vez mais, nos difíceis tempos que vamos vivendo.

publicado por viajandonotempo às 17:19

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


ÍNDICE DESTE BLOG:
posts recentes

O 1.º DE MAIO DE 1931

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO