VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Maio 08 2009

Confraria de Nossa Senhora da Paz da Constantina (Ansião) 1996

 

 

A Confraria de N.ª Senhora da Paz da Constantina foi o título do meu 1.º livro, publicado há quase 13 anos. O prefácio é subscrito pelo ilustre ansianense, entretanto falecido, Dr. Vítor Faveiro.

Trata, obviamente, dessa Irmandade que ainda hoje sobrevive, graças ao esforço abnegado de cerca de 40 confrades, que assim continuam a dar vida a uma das mais antigas instituições do concelho de Ansião (no distrito de Leiria – Portugal).
É uma confraria secular ou laica, porquanto os oficiais da mesma tinham que, por força dos Estatutos, sujeitar todas as contas à aprovação do Provedor da Comarca.
Instituída no dia 17 de Outubro de 1623, a Confraria de N.ª Senhora da Paz assumiu características muito especiais, que fizeram dela uma das mais conhecidas e com maior número de confrades da região centro do País. Isto, porque se tratou de uma confraria que nasceu da necessidade de organizar o culto a N.ª Senhora da Paz e de arrecadar, convenientemente, as avultadas esmolas, que eram oferecidas por grande número de peregrinos que acorriam à Constantina, durante todo o ano, a cumprir suas promessas, devidas por milagres obtidos pela intercessão daquela Senhora.
De facto, estamos perante uma associação de culto que tinha a seu cargo um pequeno santuário mariano, constituído por uma linda capela seiscentista, com um rossio espaçoso para o lado Norte do templo, onde todos os anos, a 24 de Janeiro e a 2 de Julho, tinham lugar feiras francas.
A Confraria encarregava-se, para além do que é costume em todas as instituições congéneres (e que tem a ver com as obrigações que decorrem do Compromisso, designadamente deveres de ordem religiosa, como sejam a celebração de missas por ocasião do óbito dos seus irmãos, ou a organização do culto à padroeira ou padroeiro, ou de ordem administrativa, como seja velar pelo património da confraria), da manutenção da Capela, da organização das feiras, e da contratação ou eleição de um capelão que celebrasse as missas das festividades, as missas dos domingos e dias santos e dos doze apóstolos.
A Irmandade de N.ª Senhora da Paz foi erigida numa conjuntura particularmente difícil, como foi a do século XVII (tempo de guerras, fomes e pestes), e é, quase sempre, em momentos de grande sofrimento que a religião, a fé e os milagres assumem particular relevância na mentalidade e comportamento populares.
Aliás, a religiosidade popular da época, conhecia um florescimento do culto mariano, não só em Portugal, como em Espanha e na França. Um pouco por todo o País, o culto a Nossa Senhora ia-se generalizando em torno de pequeninos templos que veneravam N.ª Senhora, sob diversas invocações. O nome de Maria, que chegou a ser evitado no baptismo por escrúpulo, começou a ser adoptado como homenagem à Mãe de Deus, por especial devoção das pessoas mais dedicadas ao seu culto.
Em 1623, precisamente na data em que se erigiu a Confraria de Nossa Senhora da Paz da Constantina, o Papa Urbano VIII, confirmou a Instituição da Ordem Militar da Conceição da Virgem Imaculada que, 17 anos mais tarde, a 8 de Dezembro de 1640, D. João IV coroaria Rainha de Portugal e se tornou, também, a padroeira da paróquia de Ansião.
Assim se compreende melhor, a expansão que esta Confraria conheceu no século XVII, tendo como confrades inscritos, pessoas de toda a região centro, mormente da área demarcada pelo rio Mondego ao Norte, e pelo rio Tejo ao Sul, se bem que haja também pessoas, embora em muito menor número, de terras do Alentejo, e de localidades a Norte de Coimbra. Em torno da devoção a N.ª Senhora da Paz, milhares de pessoas foram em peregrinação à Constantina, ao longo dos séculos XVII, XVIII e XIX.
Nos finais do século XIX, com a retirada das feiras pela Câmara de Ansião, que as transferiu para a vila (sede do concelho); e, na segunda década do século XX, com o fenómeno de Fátima - a escassos 40 Km de Ansião - o santuário mariano da Constantina entrou em decadência acelerada, perdendo quase toda a resplandecência de outrora.
Hoje, a capela mantém a imponência dos tempos idos, mas a Confraria é pobre, sobrevivendo da cotização dos seus membros; dos superavits que resultam das festas que os mesários da Confraria continuam a organizar, anualmente, à Senhora da Paz e a Santo António; do dinheiro que cobra pelo acompanhamento dos funerais daqueles que não são seus confrades ou das respectivas famílias; e de uma ou outra iniciativa, de entretenimento ou afim, levada a cabo exactamente com o objectivo de angariar alguns fundos.

 

publicado por viajandonotempo às 10:40

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


ÍNDICE DESTE BLOG:
posts recentes

OS MEUS LIVROS

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO