VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Agosto 27 2009

CHÃO DE COUCE

 

 

Brasão: escudo de ouro, castanheiro arrancado de verde e frutado de prata, entre uma paleta de pintor de vermelho, com pincel de sua cor, em chefe e um monte de três cômoros de verde, em campanha. Coroa mural de prata de quatro torres. Listel branco, com a legenda a negro: “CHÃO de COUCE”.
 
Bandeira - esquartelada de amarelo e verde. Cordões e borlas de prata e verde. Lança dourada.
 
 
 
Apontamento Histórico
 
Chão de Couce é uma das paróquias do concelho de Ansião que apresenta grande riqueza histórica (leia-se, a propósito, a minha publicação de 2001, Chão de Couce – estudo monográfico).
Foi vila e sede de concelho entre 1514 e 1855. O antigo município era constituído inicialmente apenas pela freguesia da vila. Tinha, em 1801, 1 279 habitantes.
Em 1836 foram-lhe anexadas as freguesias de Avelar e Pousaflores, com a extinção dos respectivos concelhos. Tinha, em 1849, 3 568 habitantes. Aquando da extinção, foi integrado no concelho de Figueiró dos Vinhos, passando, em 1895, para o actual município de Ansião.
Chão de Couce, como espaço de ocupação humana, remonta ao princípio dos tempos, havendo vestígios arqueológicos da Pré-História e da ocupação romana, designadamente vestígios da via romana de Conímbriga a Sellium (Tomar).
A primeira referência escrita a Chão de Couce, respeita à Quinta de Cima, onde actualmente permanece um palacete, que atesta, ainda, a sua nobreza e uma capela particular de invocação de Nossa Senhora do Rosário. Esta propriedade pertenceu aos reis de Portugal (I Dinastia) havendo registo da doação feita por D. Afonso III, a D. Constança Gil, dama da rainha D. Beatriz, como dote de casamento, em 5 de Fevereiro de 1258. Mais tarde, a Quinta foi do Conde de Barcelos, do Mosteiro de Santo Tirso, de D. Dinis, novamente Mosteiro de Santo Tirso e João Afonso, genro de D. Dinis. Consta-se que, aquando do casamento de D. Fernando com D. Leonor de Teles, criticado violentamente pelo povo de Lisboa, o casal real se terá refugiado aqui.
Em 4 de Junho de 1451, Afonso V, fez a doação da Quinta, ao Conde de Vila Real, D. Pedro de Meneses. A Quinta de Cima voltou à Coroa em 1641 (com a execução do seu proprietário, um dos conjurados contra D. João IV) e, pouco depois, foi integrada na Casa do Infantado até 1834, vindo, posteriormente, a ser propriedade de António Lopes do Rego, Sargento-Mor e Cavaleiro da Ordem de Cristo, antepassado dos actuais proprietários.
A Quinta de Cima é, ainda hoje, uma verdadeira preciosidade, em termos artísticos e históricos. No princípio do século XX, embora a arquitectura do belo edifício habitacional nada tivesse de medieval, continuava a ser um espaço idílico (e hoje ainda mantém, praticamente, o mesmo as­pecto), habitado, então, pelo Dr. Alberto Rego que ali recebeu destacadas figuras do País, no domínio da música, das artes, da ciência, da medicina e da literatura.

 

Centro Pastoral da Região Sul da Diocese de Coimbra (Chão de Couce)
 
A Igreja e os seus sacerdotes são também uma marca insofismável da História de Chão de Couce. Em meios rurais, o sacerdote foi sempre uma figura de grande prestígio, mas aqueles que governaram a Paróquia de Chão de Couce, pelo menos no século XX, excederam esse prestígio social, porque lhe associaram, nalguns casos, o exercício do poder político, e, noutros, uma extraordinária capacidade de diálogo social e de iniciativa, que tornaram Chão de Couce, em meados do século XX, a capital do Arciprestado das Cinco Vilas, e já no último quartel do mesmo século, a capital de toda a Região Pastoral do Sul da Diocese de Coimbra.
Perante poderes tão eminentes, apagou-se bastante o poder local que, só depois da Revolução do 25 de Abril, começou a emergir de uma forma mais sistemática, começando actualmente a ser notada a sua obra, em prol de uma população que precisa de ser estimulada a fixar-se, para não debandar totalmente, matando a vida humana numa região tão bonita como é Chão de Couce.
 
Pelourinho de Chão de Couce
 

De construção recente (século XX), o Pelourinho de Chão de Couce, junto à antiga Casa da Saúde, assenta em três degraus quadrados em esquadria de pouca altura. A coluna parte de uma base quadrada com três discos octogonais: dois lisos e o do meio boleado. O fuste monolítico octogonal possui uma altura de 2,50 m. Na sua parte superior sobressai o brasão invertido com as armas de Portugal. O capitel possui, tal como a base da coluna, três discos octogonais, mas em posição invertida, sendo que no disco inferior há um pequeno fecho com duas pegas. É rematado em forma de esfera armilar, assentando-lhe uma Cruz de Cristo.

 

Palácio da Quinta de Cima

 

 

A Quinta de Cima foi propriedade dos soberanos portugueses. Prova disto é o documento que refere a doação da Quinta, por parte de D. Afonso III a Constança Gil, em 1258.
Quando D. Fernando se casou, contra vontade do povo, com D.ª Leonor de Teles refugiou-se neste palácio real, bem longe dos “olhares” de Lisboa.
 A Quinta terá permanecido na posse da família real até 1451, data em que passa para a importante Casa de Vila Real, por doação do Rei D. Afonso V. Contudo, acaba por passar novamente para a Coroa e Casa do Infantado. Só em 1834, com a extinção desta Casa passa para a Família Rego, detentora da Quinta de Cima até há muito pouco tempo.
 Já no século XX, foi “refúgio” temporário de figuras da elite portuguesa. Pintores, músicos, escritores, médicos, políticos e cientistas foram algumas das personalidades que conheceram bem de perto aquela idílica propriedade. Egas Moniz, Nobel da Medicina, Raul Proença, Hernâni Monteiro e José Malhoa, pintor, são apenas alguns exemplos dos ilustres portugueses que foram convidados do Dr. Alberto e D.ª Elvira Rego.
Actualmente, é constituída por uma casa e capela particular (mas, em tempos teve também um couteiro) e está enquadrada numa bonita paisagem com uma mancha de castanheiros. 
 
Igreja Matriz de Nossa Senhora da Consolação
  A actual Igreja de Chão de Couce foi construída no local do primitivo templo católico (que tinha a tradicional direcção Este-Oeste, ao passo que a nova tem uma orientação quase Norte-Sul), considerado, nas primeiras décadas do século XX, demasiado pequeno para conseguir receber, em condições aceitáveis, todos os paroquianos. A iniciativa da sua construção partiu do respectivo Pároco, Padre Manuel Mendes Gaspar, que conseguiu agregar a esse projecto toda a comunidade paroquial, tendo sido o novo templo inaugurado, segundo a imprensa da época, no dia 23 de Novembro de 1930.
A nova Igreja ficou, durante cerca de duas décadas, com a antiga Torre, exactamente do lado contrário àquele em que hoje se encontra. Essa Torre havia sido projectada e dirigida a sua construção pelo Dr. Augusto da Costa Rego, quando ainda era aluno da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
A actual Torre foi construída na década de 1950. Trata-se de um projecto do Eng.º Augusto Santa Rita que, para o efeito, esteve em Chão de Couce no dia 8 de Janeiro de 1949. A sua construção, já na década de 1950, só foi possível graças à generosa contribuição monetária do Comendador Alberto Mendes Rosa.
De interesse nesta Igreja, e para além das muitas imagens que se podem ver nos seus altares (algumas delas muito antigas, designadamente as esculturas em pedra da padroeira e de Santo André – que se supõe serem quinhentistas), são também os azulejos da nave, capela-mor e fachada principal, da autoria de Mário Reis – ceramista, discí­pulo de Columbano, trabalhou para as Exposições do Mundo Por­tuguês de 1940 e Hispano-Ibérica, Ministério da Educação e Casa Oficial do Presidente do Conselho de Ministros, sendo “medalha de ouro” pelos trabalhos de pintura de azulejos.
 Tem quatro altares laterais, com imagens contemporâneas, e dois colaterais, sendo de maior importância o que tem a imagem de Santo Antão (patrono da vida monástica com um livro e caveira), do século XVI. 
  Ao longo dos setenta e oito anos que leva de existência, muitas vezes foi necessário fazer obras de conservação e melhoramento. Há cerca de quinze anos (entre 1993 e 1995) foi construído um salão para reuniões e arranjada a Sacristia, no lado Poente, e, no lado oposto, foram criadas 3 salas de catequese e adaptado um espaço para Capela Funerária, bem como a substituição de todos os telhados, pintura do exterior e novo relógio. Obras que ultrapassaram os 8 mil contos.
 No ano 2000, para celebrar com mais dignidade o Jubileu, foi a vez de se fazerem grandes obras de restauro no interior do templo: as paredes foram rebocadas de novo e pintadas, os tectos e o soalho substituídos por madeira exótica, os bancos restaurados, feita nova instalação sonora e eléctrica e restaurados todos os altares, tendo sido melhorada a sua talha com pinturas e douramentos de que se encarregou uma prestigiada casa de arte religiosa da cidade de Braga. As obras importaram em mais de 20 mil contos, tendo uma parte (30%) sido suportada por um subsídio estatal. As obras de restauro foram inauguradas no dia 22 de Junho de 2000, pelo então Bispo-Coadjutor de Coimbra, D. Albino Cleto.
 
Mas a jóia mais importante, em termos artísticos, é, sem dúvida, o Retábulo de Nossa Senhora da Consolação, oferecido à Igreja de Chão de Couce pelo seu autor, Mestre José Malhoa.
Quase três anos depois da inauguração da Igreja, foi a vez de se inaugurar o Retábulo da Padroeira - N.ª Sr.ª da Consolação (última obra de Malhoa), contava o pintor 78 anos de idade. Aquele dia 10 de Setembro de 1933 foi uma Festa com uma imponência e participação popular absolutamente únicas. Malhoa ficou, para sempre, no coração do povo de Chão de Couce! Foi a última grande Obra de Mestre Malhoa, que, em 2003, perfez 70 anos de existência, efeméride que a Paróquia fez questão de lembrar de forma pública e festiva.

 

 
publicado por viajandonotempo às 08:00

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
22

24
25
26

30
31


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO