VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Janeiro 06 2010

 

Dia de Reis, Monarquia e República!
 
 
Hoje comemora-se em todos os países maioritariamente cristãos, como é o caso de Portugal, o Dia de Reis. Segundo a tradição dos cristãos o dia 6 de Janeiro seria aquele em que o Menino Jesus, nascido há poucos dias, tivera a visita dos famosos três Reis Magos (Belchior, Baltazar e Gaspar) que, assim, se submetiam à autoridade divina. Este dia marca, oficialmente, o fim das tradicionais festividades natalícias, com a "demolição" dos presépios e/ou das Árvores de Natal e a retirada das iluminações das casas e das ruas. Nalguns aglomerados urbanos e rurais portugueses é costume cantar-se os reis, porta a porta, noutros (sobretudo no Norte), havia teatralizações populares, denominadas as "reisadas".
Em alguns países, como na vizinha Espanha,  o Dia de Reis é uma festa particularmente festejada pelo povo. É costume as crianças, antes de se deitarem, deixarem os seus sapatinhos à janela com erva para alimentar os camelos que transportam os Reis Magos na sua passagem por ali; em troca os Reis Magos agraciam as crianças com doçuras que colocam nos seus sapatinhos. Outra tradição, esta gastronómica, do Dia de Reis é comer Bolo-Rei nesse dia. É claro que esta tradição de Dia de Reis acaba por ter outro sentido, nos países que mantêm a Monarquia como regime político vigente, como é o caso de Espanha, entre outros.
 
 
E falando em Monarquia, é preciso lembrar que Portugal teve este regime quase durante oito séculos, mais concretamente entre 5 de Outubro de 1143 (Tratado de Zamora) e 5 de Outubro de 1910 (Revolução Republicana).
 Todos sabemos que hoje em dia, Monarquia e República não diferem assim tanto na prática política, uma vez que a Democracia é o regime que, em qualquer dos casos, se pratica, quer o país seja uma República ou continue a ter uma Monarquia. Na verdade, a maior diferença está no facto de o Chefe de Estado ser eleito na República e vitalício e hereditário na Monarquia.
Mas em 1910 - há precisamente cem anos atrás - a realidade não era essa. A Monarquia portuguesa era constitucional, mas estava profundamente desacreditada. Longe do povo, incapaz de resolver os principais problemas do País e do Império, as esperanças voltavam-se todas para a instauração da República.
 
 
 Os republicanos prometiam um "mundo novo", queriam instruir o povo e trazê-lo à participação política, melhorar a qualidade de vida dos cidadãos e fazer um Portugal mais próspero.
O 5 de Outubro de 1910 foi um dia de renovada esperança para Portugal.
O povo aplaudiu a carbonária republicana. O novo regime ia sendo proclamado por todo o País. As elites urbanas e rurais aderiram efusivamente ao novo regime e quiseram republicanizar o povo. Numas localidades foi mais fácil, noutras a resistência monárquica manteve-se activa.
Regra geral, o povo aceitou o regime republicano como sinal de mudança e de muita esperança. As contas públicas equilibraram-se, surgiu nova bandeira, novo hino, nova moeda. Apostou-se muito na instrução de rapazes e raparigas. Por todo o lado apareceram jornais de fervor republicano. O clero sofreu algumas humilhações evitáveis e perdeu património e importância social. O País mexeu nas suas estruturas mais profundas.
Contudo, nem tudo foram "rosas"! Manteve-se sempre uma persistente oposição monárquica, houve divisão entre os republicanos e, pior que isso, surgiu a 1.ª Guerra Mundial em que Portugal participou, em África (para defender as suas colónias) e na Europa (Frente Ocidental, ao lado da nossa velha aliada, Inglaterra).
Esta participação foi verdadeiramente dramática para Portugal pelas suas consequências. Desequilíbrio financeiro, inflação galopante, desvalorização do escudo, caos social e uma  insustentável instabilidade política decretariam o fim mais que certo da Primeira República, com a implantação da Ditadura Militar (1926) que, pouco depois, evoluiria para o famoso "Estado Novo" (1933-1974).
De tudo isto se falará muito neste novo ano de 2010, em que a implantação da República Portuguesa comemora o seu 1.º Centenário.
publicado por viajandonotempo às 11:01

Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29

31


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO