VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Março 29 2009

O desastre das Ponte das Barcas
(Porto - 1809)
 
 
 
 

 

Completam-se precisamente hoje 200 anos sobre o Desastre da Ponte das Barcas.
Trata-se de uma Ponte sobre o Rio Douro, entre o Porto e Gaia, construída em 1806 e aberta ao trânsito no dia 15 de Agosto. Era constituída por vinte barcas ligadas entre si por cabos de aço. Sobre essas barcaças estava uma plataforma de pranchas de madeira que era o “pavimento” dessa ponte que vinha facilitar, e muito, a travessia de milhares de pessoas entre os dois lados do rio.  
No dia 29 de Março de 1809, durante a 2.ª Invasão Francesa a Portugal, chegava ao Porto o general Soult (precisamente no dia do seu aniversário), à frente de muitos milhares de soldados de Napoleão, depois de ter vencido diversos focos de resistência por todo o Minho e Douro Litoral. Os portuenses conheciam bem os modos bárbaros e sanguinários dos franceses desde o ano anterior, por isso, o pânico apoderou-se deles e instalou-se a palavra de ordem: “Salve-se quem puder!”.
Aliás, a vida na cidade do Porto, na semana que antecedeu o Desastre, já era terrível, perante a certeza da chegada dos invasores, como se pode ver pela transcrição que a seguir se faz dum artigo saído no “Jornal de Notícias” de 22 de Março de 2009:
 
«Os portuenses desorientam-se. Os socorros pedidos para a capital não chegam. O pânico é geral.
As ruas da cidade são percorridas por uma turba desvairada que exige vingança contra os "jacobinos" ou "afrancesados". A desorientação é total. As lojas e as oficinas encerram as portas. Nas torres das igrejas os sinos não param de tocar a rebate. Na antiga Praça do Olival, actual Campo dos Mártires da Pátria, o povo instala um tribunal revolucionário para julgar os colaboracionistas.
Instala-se na velha urbe uma verdadeira caça ao homem. Do diário de um observador directo dos acontecimentos consta que "a plebe armada passa em magotes pelas ruas vociferando e matando…"
Nas ruas, nas praças ouve-se a cada passo o grito de "jacobino, é jacobino" e a pessoa apontada a dedo era imediatamente linchada por uma multidão enfurecida e tresloucada.
Já ninguém anda seguro pelas ruas do Porto. Há quem não ouse sequer sair de casa. E mesmo aqui ninguém está livre de ser incomodado. Diz-se ainda no referido diário: "… batem à porta de um cidadão, acusam-no de traidor, arrastam-no para a rua" levam-no ao tal tribunal revolucionário onde o espera a condenação sem apelo nem agravo. Este era o ambiente de horror e de medo que se vivia no Porto há duzentos anos, precisamente no dia 22 de Março de 1809.
Foi exactamente nesse dia que, na rua de Cedofeita, uma turba enfurecida assaltou a casa do chanceler das Justiças, Manuel Francisco da Silva e Veiga Magro de Sousa. À altura destes acontecimentos estava velho e doente. Não houve, por isso, qualquer contemplação para com ele. Arrancaram-no ao leito e levaram-no em cadeira de rodas para a Praça do Olival onde seria julgado e, o mais certo, condenado à morte. Foi salvo por elementos da Leal Legião Lusitana que o arrancaram do meio da multidão e o conduziram ao bispo, D. António de S. José de Castro que desempenhava as funções de governador militar da cidade. Para proteger o chanceler, o prelado mandou-o encarcerar no aljube.
Ainda nesse dia, a plebe armada atacou a o edifício da Cadeia e arrancaram do seu interior o brigadeiro Luís de Oliveira da Costa e Almeida Osório. Ao fim de um tumultuoso julgamento sumário, onde houve de tudo menos de julgamento, este militar, depois de ouvir os maiores insultos e sofrer os mais vis vexames foi assassinado e o seu corpo levado de rastos até ai margem do douro a cujas águas foi lançado. Igual destino teve o cadáver de João da Cunha Araújo Portocarrero, comandante de uma das baterias de defesa da cidade e pertencente à ilustre família dos Portacarreros da Casa da Bandeirinha. Fora assassinado por uma multidão em fúria no antigo Largo do Padrão das Almas, actual Largo do Padrão. O cadáver seminu ficou abandonado sobre as pedras da calçada durante todo um dia.
Parece que o número de assassinatos na via pública terá ultrapassado a dúzia. Houve também quem tivesse sido vitima de saque. Muitas casas de funcionários foram assaltadas e os seus bens roubados.
Entretanto os franceses aproximavam-se do Porto».

O único refúgio parecia estar no atravessamento do rio Douro em direcção a Gaia. Tanta gente, ao mesmo tempo sobre a ponte, fez com que acontecesse o Desastre. Hoje, correm duas versões, sobre a explicação da Tragédia: uns dizem que, perante tamanho peso, as barcas começaram a afundar-se, as pranchas a despregarem-se e as pessoas começaram a cair ao rio, aos milhares; outros dizem que os de Gaia, tacticamente para se protegerem da travessia dos soldados franceses, abriram o alçapão da ponte, onde a multidão em fuga, começou a cair à água, os da frente ainda procuraram deter-se, perante o perigo, intentando um movimento de recuo, mas era impossível suster tanta gente impelida pelo medo, que se empurra com desesperada ânsia de se pôr a salvo.
Aqueles que caíam à água e que procuravam salvar-se, nadando, não o conseguiam porque havia quem no desespero se lhe agarrasse e lá iam todos para o fundo.
Mais de 4000 portuenses morreram nessa horrível tragédia. Se tivessem enfrentado os franceses, provavelmente o n.º de vítimas seria menor. Mas ninguém podia adivinhar a ocorrência de tal desastre.
No local existe um pequeno monumento evocativo dessa tragédia, da autoria do Mestre Teixeira Lopes, a que o povo da Ribeira faz culto, colocando flores e acendendo velas às “Alminhas da Ponte”.
Mais tarde, no mesmo local, construiu-se outra ponte, mais robusta, sobre 33 barcas, onde assentava um estrado de madeira com grades laterais. Nos períodos sujeitos às cheias do rio Douro, a ponte era desarmada, evitando-se assim que a corrente das águas a destruísse.
Finalmente, no dia 17 de Janeiro de 1843 é inaugurada a ponte Pênsil, com um comprimento de 170,14 metros. Foi a primeira ponte de tabuleiro elevado, a cerca de 10 metros acima do nível das águas.
publicado por viajandonotempo às 10:40

Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
14

15
16
17
18
19
20

22
23
25
26
28

30
31


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
subscrever feeds
blogs SAPO