VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Julho 05 2012

A frustrada tentativa de matar Salazar

 

FEZ ONTEM 4 de julho, precisamente 75 anos, que tentaram matar Salazar, em Lisboa.

 

O novo regime, institucionalizado com a Constituição de 1933, cada vez mais se identificava com o seu chefe e principal ideólogo, António Oliveira Salazar, acreditando-se, nos meios anarco-sindicalistas, que para acabar com o regime era preciso acabar, primeiro, com o seu Chefe.

 

Depois de uma primeira tentativa falhada, concebeu-se um plano astucioso, que parecia infalível, quanto ao seu principal objetivo – matar Salazar.

 

Conhecidos os hábitos domingueiros de Salazar, que costumava ir assistir à missa a casa de um seu amigo, na Avenida Barbosa du Bocage, a primeira tentativa envolvia uma ação, à maneira dos anos 30, fazendo uma perseguição de carro à viatura onde seguia Salazar e, quando a oportunidade o permitisse, far-se-ia fogo sobre o automóvel onde seguia o Chefe do Governo, assassinando-o.

 

Para tanto, seriam necessários veículos rápidos, e só havia dois, com esses requisitos na praça de Lisboa. Era preciso roubá-los aos respetivos taxistas; e se, com um, tudo correu conforme o planeado, com o se­gundo, as coisas complicaram-se, pelo que o Plano teve de ser abandonado.

 


 

O novo plano parecia infalível! Consistia em colocar, previamente, uma bomba nos esgotos da Rua Barbosa du Bocage, precisamente no sítio onde o carro que transportava Salazar, costumava parar, próximo das 10 horas da manhã, para que o ditador saísse e assistisse à missa na Capela privada da residência do seu amigo Josué Trocado. Ora, o objetivo era fazer explodir a bomba, no momento em que o carro parasse e Salazar saísse.

 

Para tanto, combinou-se a data (forçosamente um domingo): 4 de julho de 1937. Era preciso, agora, construir o engenho e arranjar quem o colocasse e acionasse no momento certo.

 

Os anarco-sindicalistas eram peritos na arte de fazer bombas e, por isso, depressa resolveram o primeiro problema. Reuniram o material elétrico necessário, 30 Kg de dinamite, um tubo de ferro de 6 polega­das de diâmetro que media pouco mais de um metro (com duas tampas, uma soldada e outra de rosca), uma bateria e uma vela que provocariam a explosão depois de a bomba ser acionada ao puxar um fio.

 

Quanto ao segundo, decorria da resolução do pri­meiro, e teriam de ser pessoas ligadas ao plano.

 

A bomba foi colocada durante a madrugada do dia 4 de Julho. Mas houve um pequeno pormenor que falhou: o comprimento do tubo não era o mais indicado, tendo emperrado na parede do coletor geral, em vez de chegar ao sítio planeado.

 

Foi, provavelmente, este pormenor que salvou a vida do Dr. Oliveira Salazar, e que fez perdurar o Estado Novo até 1974.

 

Poder-se-ia conjeturar que, com a sua morte, o Estado Novo, obra sua e nas suas mãos, desfaleceria, o que seria bom para o reviralhismo republicano. Mas, também, poderia o regime radicali­zar-se mais. Obviamente, a História não se faz de especulações e, afinal, Salazar não morreu, essa é que é a verdade!

 

É que, efetivamente, a detonação do en­genho aconteceu “a menos de 3 metros do local onde o automóvel se encontrava” (Diário da Manhã, de 5.7.1937, p. 1). Se, no entanto, a bomba pudesse ter passado até ao local pretendido, Salazar não teria esca­pado. O Diário da Manhã, do dia seguinte, descreve, assim, a explosão: “(...) Num momento todos os vidros dos prédios da Avenida, situ­ados do lado contrário áquele em que estava o automóvel de Salazar voa­ram em estilhas. Levantou-se uma densa nuvem de fumo e de poeira (...). Abriu-se uma cratera no chão com alguns metros de profundidade e com 3 metros de largura por 4,5 metros de comprido. Todas as sarjetas da Avenida Barbosa du Bocage rebentaram e as mais próximas voaram em estilhas. O mesmo sucedeu num raio de 150 metros em torno, às sarjetas dos coletores das Avenidas da República e 5 de Outubro”.

 

O Presidente do Conselho, impávido e sereno, como se nada fosse com ele, seguiu para a missa. No fim da cerimónia, ao despedir-se de Josué Trocado, tê-lo-á feito com estas palavras: “Eu tenho sempre muita sorte nestas coisas”.

 

O Diário da Manhã, de 5.7.1937, página 1, descreve, a “reação” de Salazar da seguinte forma: “O Sr. Presidente (...) sem que um só músculo do rosto denotasse a menor comoção (...) com a sereni­dade de sempre e sem apressar o passo entrou no jardim e foi ouvir a missa”.

 

Nas duas semanas seguintes ao atentado, o Diário da manhã, O Século e o Diário de Notícias, entre outros jornais, enchem as suas páginas com os nomes das pes­soas que enviaram telegramas a Salazar, congratulando-se com o malogro da tentativa de o assassinar, com as missas Te Deum, que, um pouco por todo o lado, agradecem à Providência o facto de o Presidente do Conselho ter escapado ileso, e com manifesta­ções de regozijo por Salazar continuar vivo. Entre tantos telegramas, é dado particular destaque aos seguintes: ao de Hitler, de Mussolini, do Brasil e do soberano espanhol.

 

Em simultâneo, a Igreja, a imprensa mais afeta ao regime, e as forças militares condenam, veementemente, o “abominável” atentado contra Salazar.

 

Segundo o Diário da Manhã, de 7.7.1937, mil e quinhentos oficiais do exército e da ar­mada, no Palácio de S. Bento “saudaram Salazar felicitando-o pelo malogro do vil atentado que ameaçou a sua vida”.


publicado por viajandonotempo às 23:36

Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
subscrever feeds
blogs SAPO