VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Agosto 14 2012

ALJUBARROTA - A BATALHA QUE DITOU A NOSSA INDEPENDÊNCIA

 

No dia 14 de agosto de 1385 – completaram-se hoje 627 anos – deu-se próximo de Leiria, a batalha de Aljubarrota, que estará para sempre ligada à história da consolidação da nossa independência.

Para melhor se compreender este importante acontecimento bélico é preciso contextualizá-lo no tempo e no espaço. Vivia-se na Europa a Guerra dos Cem Anos. Portugal e Inglaterra eram aliados, enquanto Castela se juntara com a França. No reinado de D. Fernando várias guerras se travaram com Castela e várias derrotas sofremos, da última, resultou o casamento da única filha de D. Fernando (D. Beatriz) com o monarca castelhano. Quando D. Fernando morreu (1383), Portugal correu sérios riscos de ficar unido a Castela.

Não o permitiu a baixa burguesia lisboeta, o povo e uma mão cheia de membros do Clero e da Nobreza. Gerou-se um clima de guerra civil, com portugueses de um lado e do outro. No Partido de Castela (a rainha D. Beatriz estava casada com o rei de Castela, D. João I) estavam grande número de nobres e de clérigos portugueses, e no Partido Nacionalista (chefiado por D. João, Mestre de Avis), estava a generalidade do povo, a burguesia, alguns nobres e clérigos. As vilas do Reino dividiram-se no apoio a ambas as fações, conforme as preferências daqueles que nelas tinham poder e autoridade.

Entretanto, nas Cortes de Coimbra, em Abril de 1385, D. João, Mestre da Ordem Religioso-Militar de Avis, seria “eleito” rei, muito graças ao trabalho de persuasão do Dr. João das Regras e doutros homens, claramente favoráveis à causa nacionalista. Os castelhanos é que não desistiam do cumprimento das cláusulas do Tratado de Salvaterra de Magos que lhe eram favoráveis. Por isso, mais uma vez, resolveram invadir Portugal, dirigindo-se a Lisboa.

Mas o grosso do exército português que, ao tempo, se encontrava em Tomar, com a presença das duas figuras mais destacadas do seu comando: Nuno Álvares Pereira e o rei, tenta evitar o avanço dos castelhanos para a capital. Dirige-se no sentido de Leiria e, depois de várias hesitações, o combate tornou-se inevitável, nos campos de Aljubarrota.

No dia 14 de agosto de 1385, Nuno Álvares Pereira, com excelentes competências e conhecimentos militares, consolidados na terra dos nossos novos aliados, deu as melhores ordens de disposição aos seus guerreiros, que eram em muito menor número dos que o do inimigo, mas que acabariam por triunfar, mais por causa da tática utilizada do que propriamente pela valentia individual.

Antes do início do ataque, que só surgiria a meio da tarde, ainda houve tempo para assistir à missa celebrada pelo Arcebispo de Braga, D. Lourenço Vicente, quer era um dos membros do alto clero que apoiava, inequivocamente, o Mestre de Avis (D. Lourenço Vicente nasceu na Lourinhã e estudou nas universidades de Mompellier, Toulose, Paris e Bolonha, foi Cónego da Sé de Lisboa, Bispo do Porto e, entre 1374 e 1398, Arcebispo de Braga. Ainda, no reinado de D. Fernando, foi Desembargador e seu Vedor da Fazenda. Seria sagrado Arcebispo de Braga, em Avinhão, pelo último Papa aí residente, Gregório XI. Após a morte de D. Fernando defendeu convictamente as pretensões de D. João I. Nas Cortes de Coimbra foi ele que fez o discurso de aclamação do Mestre de Avis como rei de Portugal; foi um dos mais destacados conselheiros do novo Rei; acompanhou-o na Batalha de Aljubarrota, tendo sido ferido sem muita gravidade; e, em 1387, no casamento de D. João com D. Filipa de Lencastre, na Sé do Porto, acompanhou a nova Rainha e foi ele quem abençoou o casamento real. Resolvida definitivamente a questão política da independência de Portugal, D. Lourenço Vicente voltou à sua Catedral, onde ficou para sempre. A sua morte, segundo alguns historiadores, ocorreu em 1398, aí foi sepultado e o seu corpo conservou-se, incorruptível, até hoje).

 

Túmulo do Arcebispo de Braga, D. Lourenço Vicente, cujo corpo se mantém incorruptível

 

Mas, voltemos à batalha de Aljubarrota.

A cavalaria francesa abriu as hostilidades, mas ficou destroçada pela pronta e destemida acção dos besteiros e arqueiros ingleses, muito bem colocados, assim como pela eficácia das paliçadas (covas de lobo, previamente preparadas pelas tropas de D. Nuno e de D. João). A batalha prolongar-se-ia por algumas horas, até ao pôr-do-sol, mas o objectivo da causa portuguesa cumpriu-se, os castelhanos foram obrigados a retirarem-se do território português. Ainda haveria outras batalhas, nenhuma comparável a esta, até que a paz definitiva com Castela se assinasse a 31 de outubro de 1411.

Na manhã do dia seguinte o campo de batalha estava pejado de cadáveres, de castelhanos e portugueses. Em memória da importantíssima vitória para a causa nacional foi mandado construir o Mosteiro a Santa Maria da Vitória, na Batalha, que é hoje panteão nacional e um ponto de grande atração turística, até porque esse decisivo ato de guerra continua bem vivo na memória coletiva do povo português, de que é exemplo a celebração, de uma Missa Solene, em Coruche, integrada na Programação Religiosa das suas Festas de 2012, em Ação de Graças pela Vitória na Batalha de Aljubarrota.

publicado por viajandonotempo às 21:57

Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
subscrever feeds
blogs SAPO