VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Julho 30 2015

Ainda a Guerra Peninsular

Salamanca.png

Há 203 anos, mais concretamente no dia 22 de julho de 1812, Arthur Wellesley, duque de Wellington, à frente de forças anglo-britânicas, na Guerra Peninsular, mas já fora do território português, derrota, mais uma vez, o exército de Napoleão Bonaparte, desta vez em Salamanca.

Nunca é demais recordar que, entre 1807 e 1811, Portugal foi vítima de 3 invasões napoleónicas. Acho preferível a designação “napoleónicas” em vez de “francesas” porque, como sabemos, entre os soldados enviados por Napoleão para a Península Ibérica, havia muitos que não eram franceses, mas que iam sendo recrutados pelos franceses nas terras europeias ocupadas por França. Também em Portugal foram recrutados muitos, basta lembrar que na Campanha da Rússia (em 1812), entre as tropas napoleónicas, contavam-se nove batalhões portugueses.

Não deixa de ser curiosa, a este respeito, a descrição que a Gazeta de Lisboa, n.º 312, de 29 de dezembro de 1810, faz do “inimigo” que no início do século XIX invadiu Portugal: «A invasão destes Vandalos, denominados Francezes, e que saõ huma mistura da gente mais corrompida e imoral, que tinha a França, e de Soldados violentamente arrancados de todos os Paizes da Europa, tem huma inteira similhança com outra feita no seculo 8.º pelos Mouros, que era igualmente composta dos diversos Povos da Asia, e da Costa Septentrional de Africa (…)».

As três invasões que Napoleão enviou a Portugal tinham como objetivo prioritário obrigar o nosso país a cumprir o “Bloqueio Continental” à Inglaterra. A 1.ª (1807) dirigiu-se a Lisboa, comandada por Junot que governou o país vários meses; a 2.ª (1809) dirigiu-se ao Porto; e a 3.ª (1810-1811) novamente a Lisboa, mas sem êxito. A vinda dos franceses provocou a vinda dos ingleses para ajudarem a defesa portuguesa, mas estes tornaram-se os dominadores de Portugal e dos seus interesses, o que provocou um ódio popular contra o domínio inglês, que muito contribuiu para a Revolução Liberal de 1820.

As consequências da Guerra Peninsular foram bastante nefastas para Portugal inteiro. Enquanto os franceses e os ingleses continuaram o seu desenvolvimento económico, os portugueses viram o seu território transformado em contínuo campo de batalha, as terras (cidades, vilas e aldeias) constantemente pilhadas, as sementeiras destruídas pelos exércitos e o desenvolvimento industrial incessantemente adiado.

Estas invasões foram a mais terrível e sangrenta guerra travada em toda a História no território português. São feitas habitualmente críticas contundentes à forma como se combateu o invasor, sobretudo pela “fuga” precipitada da família real e da Corte para o Brasil. Talvez fosse possível ter reagido de uma forma organizada em colaboração com os ingleses, já que Junot chegou a Lisboa com poucos homens.

Os registos que ficaram retratam um país completamente devastado em que se contam factos onde o horror de tanto sofrimento imposto aos portugueses é uma constante. Nada até agora ultrapassou a crueldade e barbárie destes invasores. Aldeias, vilas e cidades, algumas bastante prósperas foram vandalizadas, pilhadas, incendiadas e destruídas. Mas estas atitudes irracionalistas de roubos, violência e indisciplina grassavam também no exército anglo-luso, obrigando por vezes Wellington a drásticas medidas disciplinares. Um período da nossa história que não se consegue esquecer.

Morreram mais portugueses nessa altura (cerca de 4 anos) do que somando todas as vítimas portuguesas da 1.ª Grande Guerra (1914-1918), da Pneumónica (1918) e ainda da Guerra Colonial (1961-1974).

A Batalha de Salamanca, como o envolvimento da Inglaterra na Guerra Colonial tem de entender-se à luz da defesa da própria Inglaterra que queria manter as tropas napoleónicas bem afastadas do seu território. Nesta batalha, o futuro Duque de Wellington (que mais tarde chefiaria o Governo Inglês por duas vezes) contou com cerca de 52 mil militares (30500 ingleses, mais de 18000 portugueses e quase 3400 espanhóis) contra cerca de 50 mil franceses.

publicado por viajandonotempo às 19:56

Julho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
31


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
subscrever feeds
blogs SAPO