VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Agosto 24 2016

122 anos aós a sua morte

 

Oliveira Martins foi um vulto importante da cultura literária e histórica portuguesas do século XIX. Faleceu há 122 anos (dia 24 de agosto de 1894) e, fazendo jus àquilo que era o seu prestígio nacional, o semanário “O Micróbio”, de 26 de agosto de 1894, dedica-lhe uma página onde escreve que é a «primeira intelligencia do paiz. Trabalhador improbo, caracter impoluto e espirito preclaro – a morte de Oliveira Martins é uma perda nacional (…)».

Também a revista O Occidente, de que foi colaborador, lhe dedica algum espaço. Foi daí que extraímos alguns dos dados biográficos que servem de suporte a este artigo.

Era filho de Francisco Cândido Gonçalves Martins, oficial da Junta do Crédito Público, e de Maria Henriqueta Morais de Oliveira. Neto paterno do desembargador Joaquim Pedro Gomes de Oliveira, que, por duas vezes, foi ministro de D. João VI e membro do governo supremo do reino desde 1820 até se constituírem as Cortes, no dia 26 de janeiro de 1821. Seu pai viria a falecer por ocasião da febre-amarela que em 1857 se manifestou em Lisboa, tinha o filho apenas 12 anos.

Devido à morte do pai e ao facto de ter mais cinco irmãos e não ter recursos para continuar os seus estudos no Liceu de Lisboa, teve de iniciar atividade profissional no comércio e ao mesmo tempo ia prosseguindo os seus estudos conforme as suas possibilidades. Em 1870 foi trabalhar para Espanha, como empregado da Companhia de Minas de Santa Eufémia, em Córdova, onde se manteve até 1874, indo depois fixar-se na cidade do Porto, para desempenhar o cargo de Diretor da exploração do caminho-de-ferro, que ligava o Porto à Póvoa e a Vila Nova de Famalicão.

Em 1878 venceu o concurso da Academia Real das Ciências de Lisboa, com o opúsculo intitulado Circulação Fiduciária, recebendo a medalha de ouro, tendo sido nomeado, também, Sócio Correspondente dessa Academia. Dois anos depois foi eleito Presidente da Sociedade de Geografia Comercial do Porto, onde se manteve até 1882, sendo-lhe conferido, nessa altura, o título de Presidente Honorário desta Sociedade. Neste mesmo ano, também a Real Academia de Espanha lhe atribuiu o diploma de seu sócio correspondente. Torna-se igualmente membro do Instituto de Coimbra. Em 1884, torna-se diretor do Museu Industrial e Comercial do Porto.

Oliveira Martins foi um pensador bastante eclético, com uma cultura profundíssima, e as suas ideias políticas não conseguiram nunca convergir num único ideário partidário, porque tanto podia defender ideais claramente republicanos como monárquicos, anarquistas e liberais como ditatoriais.

Talvez isso explique a sua curta carreira política que começou em 1887, como deputado eleito pelo Porto, tendo sido reeleito para sucessivas legislaturas. Chegou a fazer parte do governo do Conselheiro José Dias Ferreira, como ministro da Fazenda, desde 17 de janeiro de 1892, mas 7 meses depois abandonaria o governo, para se dedicar aos trabalhos literários, que lhe davam maior prazer.

Colaborou em vários jornais, nos periódicos literários e científicos mais importantes do país (como a Revista Científica, Revista de Portugal, Revista de Educação e Ensino, Revista Occidental, Dois Mundos e, entre outras, Renascença) e escreveu importantíssimas obras literárias sendo de destacar algumas das que redigiu como historiador: Portugal nos mares, Navegações e descobrimentos portugueses, História da República Romana, História da Civilização Ibérica e História de Portugal, O Brasil e as Colónias Portuguesas, Os Filhos de D. João I.

Escreveu até morrer. Faleceu na sua residência, em Lisboa, às 6h30 do dia 24 de agosto de 1894, com 49 anos (havia nascido também em Lisboa, no dia 30 de abril de 1845) tendo o corpo seguido para a igreja dos Caetanos, onde decorreram as cerimónias fúnebres, e daí para o Cemitério dos Prazeres.

publicado por viajandonotempo às 08:26

Agosto 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
25
26
27

28
29
30
31


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
subscrever feeds
blogs SAPO