VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Março 30 2020

ÁLVARO CUNHAL FOI PRESO PELA ÚLTIMA VEZ 

PT-TT-PIDE-E-010-38-7550_P3_m0301a_derivada.jpg

 

O carismático líder do Partido Comunista Português, Álvaro Cunhal, foi preso pela última vez, na madrugada do dia 25 de março de 1949, faz agora 71 anos, pela PIDE que, inesperadamente, entrou casa dentro e prendeu todos os que lá viviam.

O isolamento da casa no Luso e a aparência de que se tratava de alunos do ensino superior em descanso não impediu desconfianças que levaram à atuação da polícia política. Segundo José Pacheco Pereira escreve no seu livro “Álvaro Cunhal – uma biografia política”, os vários sinais denunciadores terão sido o facto de os seus inquilinos não saírem regularmente de casa; “a máquina de escrever estar constantemente a trabalhar e, por vezes, até altas horas da noite”, ouvindo-se da rua; entradas e saídas da casa a qualquer hora de diversas pessoas com pastas e embrulhos.

Não foi menos relevante o facto de viver perto desta casa no Casal de Santo António, José Feio (há dois anos Presidente da Câmara Municipal de Águeda) que terá sido alertado para a estranheza com que eram vistos os inquilinos daquela casa. Num ápice alertou a polícia política que preparou o assalto, chefiado pelo chefe de brigada da PIDE, Jaime Gomes da Silva, que havia de prender, também com a participação da GNR fortemente armada, os respetivos moradores: Álvaro Cunhal (“Duarte”), Militão Ribeiro (“António”) importantes dirigentes do PCP, e Sofia Ferreira também militante do partido.

Esta última, Sofia Ferreira, no dia 25 de março de 2007, data da colocação da lápide que desde então marca esta efeméride, conta o que verdadeiramente se passou no dia da prisão – 25 de março de 1949:

«Uma brigada de 6 agentes da PIDE tomou de assalto a casa pelas 05.00, entrando de rompante, acompanhada pela GNR com metralhadoras e não bateram sequer à porta.

Arrombaram-na e subiram logo ao primeiro andar onde estavam os quartos. Estávamos na cama e mal tivemos tempo de nos levantar. O Álvaro Cunhal e o Militão Ribeiro foram algemados logo em pijama e encostaram o Álvaro Cunhal à parede, com uma arma apontada à cabeça, tendo o Jaime Gomes Silva dado ordens para dispararem quando ele mandasse».

Como escreve José Pacheco Pereira no livro acima referido, com a prisão ocorrida no Casal de Santo António, no Luso, findava uma era da história da luta da oposição e do PCP, que era como sabemos a única organização política da oposição clandestina ao regime salazarista. O partido foi obrigado a remodelar a sua Direção, esclarece Pacheco Pereira: «Os membros sobrantes do Secretariado tomaram medidas quase imediatas para reorganizarem a Direcção, profundamente atingida pelas prisões, traições e mortes. Dos eleitos em 1946, apenas cinco membros efectivos, José Gregório, Joaquim Pires Jorge, Manuel Guedes, Júlio Fogaça e Sérgio Vilarigues, e dois suplentes, Octávio Pato e Soeiro Pereira Gomes, permaneciam activos em Abril de 1949».

Onze anos mais tarde, a 6 de janeiro de 1960, Álvaro Cunhal protagonizaria a famosa e bem preparada fuga da Fortaleza de Peniche. Juntamente com ele evadir-se-iam, naquele dia, com ajuda exterior, outros militantes do Partido Comunista: Joaquim Gomes, Carlos Costa, Jaime Serra, Francisco Miguel, José Carlos, Guilherme Carvalho, Pedro Soares, Rogério de Carvalho e Francisco Martins Rodrigues.

Mas faltariam ainda longos 15 anos para que acontecesse o “25 de Abril” e os adversários do regime, os comunistas e todos os outros, pudessem ter liberdade e concorrer a eleições livres e democráticas.

publicado por viajandonotempo às 13:58

Março 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
subscrever feeds
blogs SAPO