VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Setembro 29 2020

A Batalha do Buçaco foi há 210 anos

Buçaco.jpg

No dia 27 de setembro de 1810, fez anteontem 210 anos deu-se a Batalha do Buçaco entre o exército aliado, formado por contingentes britânicos e portugueses, com a ajuda de milícias portuguesas, comandado por Wellington, e o exército francês comandado pelo marechal do Império Napoleónico, Massena.

A batalha que se deu na Serra do Buçaco foi a primeira derrota francesa durante a 3.ª invasão. Apesar das baixas, o marechal Massena continuou o seu caminho de morte e destruição no sentido de Lisboa, mas não passará das Linhas de Torres Vedras.

Cerca de 120 mil homens ficaram frente a frente, a 27 de setembro de 1810, na batalha do Buçaco.

No início do século XIX, a serra do Buçaco, ao contrário do que acontece hoje, era um lugar desolado e pedregoso. Devido aos seus pontos altos, a cerca de 500 metros de altitude, foi ali que se travou a mais importante batalha da 3.ª invasão francesa. Wellington comandava cerca de 32 000 portugueses e pouco mais de 20 000 britânicos.

Massena dispunha de 65 000 homens. Os aliados reforçaram-se e ocuparam posições numa linha elevada, ao passo que os franceses se espalharam pelo sopé dessa linha. Essa foi a vantagem tática do exército luso-britânico que pôde colocar a sua artilharia em posições mais elevadas à posição do inimigo. O início dos confrontos ocorreu por volta das 6 horas da manhã. No fim da batalha, quase 6 mil mortos (3/4 deles eram soldados napoleónicos).

O marechal Massena não conseguiu evitar a derrota, mas dado o número de militares que comandava, resolveu prosseguir por várias estradas na direção da capital portuguesa.

Por outro lado, a vitória de Wellington dá-lhe algum tempo para recuar para as Linhas de Torres, onde irá impedir o avanço do exército francês. Mas este, na sua deslocação para Sul, cometeu as maiores atrocidades sobre a população portuguesa.

As fontes não são muitas, mas são as suficientes para se poder concluir da tragédia que foram estas invasões. Em toda a história de Portugal, nunca o nosso povo e o território estiveram sujeitos a tal destruição e massacres.

Dos inúmeros exemplos e testemunhos de morte, provocada direta e indiretamente pelos invasores napoleónicos, evocamos os seguintes: há uma Inscrição, num Cruzeiro, junto à então Vila da Figueira da Foz, no preciso sítio onde teriam sido sepultados, em vala comum, 5 000 portugueses que «em três mezes morrerão á força da fome, e do contágio»; na diocese de Coimbra, a tragédia do contacto com os franceses foi divulgada num opúsculo de 14 páginas, “Breve memoria dos estragos causados no Bispado de Coimbra pelo exercito Francez, comandado pelo General Massena”, elaborado a partir das informações que deram os respetivos párocos, e, sem contar com elementos relativos a 27 freguesias, de um total de cerca de 300 (portanto só não há dados de cerca de 1/3) os franceses provocaram 2969 mortes, incendiaram 20 aldeias e queimaram 1144 casas; logo após o combate do Buçaco, na cidade de Coimbra, a 1 de outubro de 1810, os franceses deixaram as ruas «pejadas com objectos e géneros destruídos vandàlicamente» e praticaram nos arredores incríveis atrocidades, queimando casas e aldeias, assassinando centenas de pessoas, entre as quais idosos, mulheres e crianças; já em Santiago da Guarda, concelho de Ansião, para fugir ao horror do flagelo imposto pelos invasores, entre outubro de 1810 e abril de 1811, o respetivo pároco e muito povo fugiram para a parte Norte do rio Mondego, registando aquele, num apontamento provisório, a lista dos que por lá morreram ou que os franceses mataram.

publicado por viajandonotempo às 22:27

Setembro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
30


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Novembro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
subscrever feeds
blogs SAPO