VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Outubro 29 2021

Coube a José Nunes da Ponte esse ato único a nível nacional

Jose nunes da aponte.png

José Nunes da Ponte e o antigo edifício dos Paços do Concelho no Porto

No dia 6 de outubro de 1910, fez há pouco 111 anos, o regime republicano foi proclamado pela 2.ª vez, na Câmara do Porto.

A 1.ª vez tinha sido no mesmo edifício da Câmara, aquando da tentativa revolucionária republicana, de 31 de Janeiro de 1891 (há 130 anos). A Revolta Republicana ocorreu na madrugada desse dia, quando o Batalhão de Caçadores 9, constituído sobretudo por sargentos (entre o punhado de oficiais que participaram, destacaram-se o capitão Leitão e o alferes Malheiros), se dirigiu aos antigos Paços do Concelho do Porto (hoje esse edifício não existe, foi demolido no século XX para construir a Avenida dos Aliados e ao cimo dela seria edificado o novo edifício dos Paços do Concelho), aclamando e vitoriando a República.

Para além do Dr. Alves da Veiga, líder civil do movimento, tiveram um envolvimento empenhado nesta tentativa revolucionária, João Chagas, Basílio e Bruno Teles. Nos primeiros instantes, a vitória parecia estar do lado dos revoltosos, mas, entretanto, houve uma surpreendente reviravolta, quando as tropas revolucionárias, constituídas por militares e civis, subiam a Rua de Santo António (actual Rua 31 de Janeiro), para tentarem uma aliança com a guarda municipal, esta disparou sobre os revoltosos. Estes tiveram de recuar e refugiaram-se no edifício da Câmara, mas não conseguiram evitar a derrota.

Quase vinte anos mais tarde, coube a honra de proclamar a República, na segunda cidade do país, cerca das 15 horas e 45 minutos, do dia 6 de outubro de 1910, a José Nunes da Ponte, que, poucos dias depois, seria nomeado Presidente da Câmara do Porto e, mais tarde, Governador Civil do Porto.

Na mesma varanda do mesmo edifício onde no dia 31 de Janeiro de 1891 havia sido anunciada pela 1.ª vez a República em Portugal foi o novo regime aclamado pela 2.ª vez, e tal só aconteceu na cidade do Porto.

Aí fica a transcrição das palavras de José Nunes da Ponte, com base em O Comércio do Porto, n.º 237, de 7 de outubro de 1910 (cit. por Fernando Sousa, Os Presidentes da Câmara Municipal do Porto (1822-2009), Porto, 2009.):

«Cidadãos!

Desde ontem que a gloriosa bandeira republicana flutua triunfante no Tejo, nas nossas naus de guerra e na capital da Nação, em todas as fortalezas e praças, delirantemente aclamada, como um símbolo de redenção e de esperança, pelo heróico povo de Lisboa. O povo do Porto, que há mais de duas dezenas de anos derramou o seu sangue generoso pela conquista dessa aspiração grandiosa, não pode deixar de felicitar-se e rejubilar com o conhecimento desse facto notável que vem marcar na história luminosa do nosso País uma época de regeneração e de prosperidade que de há muito constituía a mais nobre ambição de todos os verdadeiros portugueses. É, pois, cidadãos, com o coração a transbordar de alegria que eu tenho neste momento a insigne honra de, na qualidade de vereador mais velho da Câmara Municipal do Porto, proclamar dos Paços do Concelho a República Portuguesa e proclamar completamente abolida a dinastia de Bragança. É, pois, cidadãos, que neste momento o estrangeiro admira certamente a coragem, valentia e heroicidade com que os nossos correligionários de Lisboa souberam implantar a nova forma de Governo do País; eu estou certo, e comigo todos os meus colegas da Câmara, que o mesmo estrangeiro admirará o nosso legendário civismo, na perseverança com que haveis de manter a ordem pública e na linha de generosidade que adoptareis nos vossos actos e no nosso procedimento

publicado por viajandonotempo às 09:37

Outubro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
30

31


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
subscrever feeds
blogs SAPO