VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Novembro 30 2021

A guerra diplomática a favor da independência portuguesa

restauracao.jpg

A restauração da independência de Portugal face a Espanha ocorreu na sequência de um golpe perpetrado a 1 de Dezembro de 1640 (faz amanhã 381 anos), por parte da nobreza portuguesa, rival da monarquia em Madrid.
Na sequência desse movimento restauracionista surgiu uma longa guerra com Espanha, e uma outra guerra diplomática, com as cortes europeias, onde era necessário fazer reconhecer a justeza da separação e a legitimidade do ato e do novo monarca.
Mas os fundamentos justificativos da Restauração não se mostraram fáceis. Exemplo disso foi o que aconteceu com o diplomata português enviado à Suécia. O enviado a Estocolmo, Francisco de Sousa Coutinho, teve grandes dificuldades para, em termos diplomáticos, conseguir convencer o chefe de Governo da Suécia de que o domínio dos
Habsburgos, concretizado através da dinastia filipina em Portugal, e concretamente o reinado de Filipe III (IV de Espanha) era de tirania para com a nobreza portuguesa e concretamente para o duque de Bragança.
De facto, o 1.º de Dezembro de 1640, na capital portuguesa, havia sido provocado por um conjunto de tensões que se intensificou com a chegada ao poder do “homem forte” de Filipe IV, o Conde-Duque de Olivares. Na verdade, este governante pretendeu unificar toda a Península Ibérica sob a autoridade de Filipe IV, negando, portanto, o grau de autonomia que tinham algumas “nações” ibéricas, como era o caso de Portugal. Olivares, logo em 1624, insistia junto de Filipe IV, para que se tornasse efetivamente rei de Espanha, terminando com a autonomia de Portugal, de Aragão, de Valença e de Barcelona, sujeitando-os às leis de Castela.
Certamente a conjuntura de guerra em várias frentes, em que estava envolvido o exército espanhol, não era alheia a esta vontade unificadora de Olivares que precisava de homens para a guerra e de dinheiro para a financiar. Entendem-se assim as revoltas que surgiram na década de 1630 contra o agravamento fiscal que os portugueses sentiram e contestaram. Outros aspetos que desagradaram a Portugal, foi a chamada a Madrid, por parte do poder central, de muitos fidalgos portugueses, a extinção, em 1639, do Conselho de Portugal, e a pressão exercida sobra a nobreza portuguesa e sobre o próprio Duque de Bragança, para que participassem na guerra da Catalunha, que entretanto (meados de 1640) tinha começado.
Para a nobreza que se opunha ao domínio espanhol, o duque de Bragança, D. João, afigurava-se como o candidato natural à coroa portuguesa independente pelas suas ligações de sangue à família que reinou em Portugal, até 1580 (D. João era neto de D. Catarina de Bragança que, por sua vez, era neta de D. Manuel I).
Nesse tempo, havia vários nobres portugueses que se casavam com figuras da nobreza castelhana, prática habitual desde finais do século XV, aliás o próprio D. João, Duque de Bragança havia desposado, em 1633, D. Luísa de Gusmão, da casa espanhola de Medina Sidónia. A nobreza portuguesa, sobretudo a mais afeta aos Habsburgos, foi beneficiada ao longo do domínio filipino com várias mercês. Nas vésperas da revolução restauracionista, a nobreza portuguesa revoltou-se, muito por causa da diminuição de privilégios devido à política fiscal seguida por Filipe IV, desde Madrid, que tinha, como já se disse, de arranjar dinheiro para financiar as várias frentes de guerra, em que se encontrava envolvido.
Apesar da grande dificuldade inicial que era a inexistência de um exército português devidamente estruturado e guarnecido, os restauradores tiveram a seu favor a conjuntura internacional e o querer dos seus líderes, pelo que o resultado seria uma sofrida vitória.

publicado por viajandonotempo às 21:26

Novembro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
subscrever feeds
blogs SAPO