VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Agosto 31 2010

A questão religiosa na República

  

 

Implantada a República em Portugal, a Igreja Católica foi vítima da perseguição dos revolucionários republicanos que não perdoaram o carácter conservador da religião católica apostólica romana, sem dúvida a confissão religiosa mais arreigada na tradição popular portuguesa. Em todo o País os bens da Igreja passaram a ser controlados pelo Estado.

 

Distantes um século destes acontecimentos revolucionários, parece-nos que os republicanos foram longe de mais na sua batalha contra a Igreja, pese embora a influência enorme que a Igreja tinha nas mentalidades, o que ia frontalmente contra os objectivos revolucionários que pretendiam mexer significativamente nas estruturas vigentes. Mas a Igreja reagiu com coragem às primeiras investidas.

Logo na véspera de Natal de 1910 foi distribuída uma pastoral colectiva do episcopado português onde denunciava a violência e o sectarismo anticatólico do novo regime.

E no dia 23 de Fevereiro de 1911, os Bispos tomaram posição, novamente em pastoral colectiva, contra o fim do juramento religioso, a expulsão das Congregações (devo lembrar que logo no dia 8 de Outubro de 1910 foi decretada pelo Governo Provisório da República a expulsão de 359 jesuítas portugueses, 118 dos quais eram missionários que trabalhavam nas colónias portuguesas), a lei do divórcio e restantes medidas anticlericais postas em prática pela república.

Afonso Costa, que exercia o importante cargo de Ministro da Justiça, proibiu a sua leitura nas Igrejas. A resistência a estas medidas estendeu-se a todo o país, nos anos de 1911 e 1912, levando o Governo a punir os prevaricadores com prisões e desterros para fora das respectivas dioceses.

Efectivamente no dia 20 de Abril de 1911 era publicada a Lei de Separação da Igreja do Estado, que logo no seu 1.º artigo, afirmava que a “A República reconhece e garante a plena liberdade de consciência a todos os cidadãos portugueses e ainda estrangeiros que habitarem o território português».

E o artigo 62.º da mesma lei declarava que «todas as catedrais, igrejas e capelas, bens imobiliários e mobiliários” são pertença e propriedade do Estado e, portanto, devem ser arrolados e inventariados.

O arrolamento e inventário a que se refere o artigo anterior seriam feitos administrativamente, de paróquia em paróquia, por uma comissão concelhia constituída pelo administrador do concelho e escrivão de fazenda, que poderiam fazer-se representar por outros funcionários, sob sua responsabilidade, servindo o 1.º de Presidente e o 2.º de Secretario, e por um homem de cada paróquia, membro da respectiva Junta, e indicado pela Câmara Municipal para o serviço dessa freguesia. Os inventários deveriam começar no dia 1 de Junho de 1911 e concluir-se no prazo de três meses, feitos em duplicado, ficando um exemplar na Câmara Municipal à disposição de quem o quiser examinar e o outro enviado à Comissão Central pelo administrador do concelho.

 

Um padre republicano candidato por Viana do Castelo

 

Mesmo antes do 5 de Outubro havia sacerdotes que eram republicanos assumidos. Data de publicação: 

Um deles é notícia no jornal O Século (de 22 de Agosto de 1910, página 1) pelo facto de ter havido uma proposta feita ao directório do Partido Republicano para que o candidato ao círculo eleitoral de Viana do Castelo fosse o Padre Manuel Pires Gil, em vez de Teixeira de Queirós, considerado um «republicano histórico que apresentou motivos para não ser agora proposto».

Refere aquele jornal o seguinte (a transcrição é feita em português actual para facilitar a compreensão dos leitores: «O rev. Gil é muito considerado em Viana pelas suas qualidades e saber. Escrupuloso nas suas funções civis, não o é menos nos seus deveres eclesiásticos. Sincero na sua fé política, é igualmente sincero na sua fé religiosa. Os reaccionários odeiam-no, mas a sua conduta irrepreensível contêm-nos em respeito».

É ainda dito que o Padre Manuel Gil, em artigos sucessivos publicados no jornal republicano de Viana - O Povo - mostrou brilhantemente que as ideias liberais eram compatíveis com todas as crenças.

 

Mesmo depois da implantação da República, muitos padres mantiveram as suas ideias republicanas

 

De acordo com o Relatório da Comissão Central de Execução da Lei da Separação, in Diário do Governo de 1911 a 1918 (cf. Vítor Neto, A Questão Religiosa na 1ª República/A posição dos padres pensionistas, in Revista de História das Ideias, nº 9, Coimbra, 1987), o distrito de Leiria, no que respeita ao número de Padres Pensionistas, com 49 sacerdotes a aceitarem a referida pensão, era o 5º a nível nacional (considerando os 21 distritos do continente e ilhas. O 1º distrito, com maior nº de padres pensionistas, era Beja, com 97; seguindo-se-lhe Lisboa, com 85; Guarda, com 63; Funchal, com 53; e Leiria, com 49.).

            Dentro do distrito de Leiria, o concelho de Ansião era dos que revelava maior número de aderências à pensão por parte dos sacerdotes que, assim, demonstravam, na prática, terem aceitado colaborar com o regime saído do 5 de Outubro de 1910, quem sabe, influenciados pela acção de propaganda da Associação Republicana local. Das oito paróquias que constituem o concelho de Ansião, cinco dos respectivos párocos, aceitaram a pensão instituída pela República. Foram os seguintes: o pároco colado na freguesia de Vale de Todos, António Lopes Borrego; o pároco colado na freguesia de Ansião, José Rodrigues Portela; o pároco encomendado da freguesia de Alvorge, José Maria Nunes; o pároco encomendado do Avelar, Augusto Lourenço das Neves; e o pároco encomendado da Lagarteira, António Simões de Faria. Representam 62.5% dos párocos do concelho, quando no País, "a maioria dos párocos renunciou ao seu direito a pensões do Estado, e só menos de 20% as requereram”.

 

                

publicado por viajandonotempo às 20:44

Caríssimo MAD, li com interesse este teu escrito. Tem muito interesse , dada a data que se aproxima das comemorações do 5/10 de há 100 anos. Pena que seja um escrito tão curto dada a quantidade enorme de informações que era interessante apresentar, mas compreendo: destina-se a ser lido por todos, e dás os tópicos principais sobre o tema, como tens feito nos anteriores. Deves saber que a revista Communio dedicou o último número a este tema, e lá se publicaram artigos deveras interessantes. Saudações amigas do conterrâneo FF.
Francisco Leal a 9 de Setembro de 2010 às 22:10

De
( )Anónimo- apenas as pessoas que pertencem à lista de amigos de viajandonotempo podem deixar comentários.
(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
subscrever feeds
blogs SAPO