VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Maio 28 2012

Portugal enveredou pela Ditadura Militar há 86 anos

 

CRONOLOGIA DO 28 DE MAIO DE 1926

 

28-5-1926 - Golpe de Estado militar dirigido pelo general Gomes da Costa e por Mendes Cabeçadas.

 

29-5-1926 - António Maria da Silva apresenta a demissão do seu governo.

                   - A guarnição de Lisboa adere ao golpe de Gomes da Costa.

 

30-5-1926 - Mendes Cabeçadas forma governo, por convite de Bernardino Machado.

 

31-5-1926 - O Congresso da República é encerrado por ordem do ministério da Guerra.

                    - Bernardino Machado apresenta a sua demissão da presidência da república.

 

3-6-1926 - Mendes Cabeçadas passa a governar em ditadura, pois forma governo sem nomeação pelo Presidente da República e sem o Parlamento estar reunido. A Ditadura prolongar-se-à até ao 25 de Abril de 1974.

 

Depois de 16 anos de um regime que prometera levar Portugal para os caminhos do desenvolvimento e progresso europeus, onde a política se orientava por princípios mais democráticos, a experiência da Primeira República, acabou por fracassar, conduzindo o país, na década de 1920, a um caos social que a instabilidade política só agravava.

Provavelmente, a participação na Primeira Guerra Mundial foi a início, para o Portugal republicano, do sucessivo agravamento dos seus problemas financeiros e económicos que, de resto, já vinham da Monarquia, mas que os primeiros governos republicanos haviam sanado. A Guerra representou um grande custo financeiro e ocupou parte significativa da mão de obra masculina jovem.

No domínio agrícola, durante a Primeira República, Portugal adiou a “reforma agrária” e continuou carente de trigo para fazer o pão, recorrendo a importações que ajudava a pagar para manter o preço do pão o mais baixo possível, evitando assim a fome das classes urbanas pobres. Portugal continuava a ser um país rural, cuja população vivia, sobretudo, da exploração de vinho, cortiça, frutas e da pastorícia.

Mas a instabilidade política da Primeira República (45 governos), que não ajudou nada à tomada de decisões estruturais capazes de fazer renascer a economia, em bases sólidas, foi talvez o maior obstáculo à manutenção do regime.

Contudo, há que reconhecê-lo, durante a 1.ª República, o nosso país conheceu algum progresso no que respeita à industrialização: as regiões de Lisboa (sobretudo a Sul do Tejo) e do Porto (com extensão ao Minho) mostravam algum dinamismo industrial. Os setores de conserva de peixe, cortiça, tabaco e indústria têxtil foram os que mais se desenvolveram (mas as indústrias de moagem, metalúrgica, vidreira, cimenteira e fosforeira, também conheceram algum destaque, parte delas controladas por capitais estrangeiros, designadamente as do tabaco e fósforos). A expansão industrial não foi maior porque se registavam algumas insuficiências, designadamente ao nível das infraestruturas dos transportes e comunicações (a rede ferroviária e viária quase estagnou após o “fontismo”. Os portos de Lisboa e Leixões não estavam devidamente apetrechados e a nossa marinha mercante também não se modernizou).

E os problemas financeiros do País agravaram-se, indubitavelmente, com a entrada de Portugal na 1ª Guerra Mundial, na África colonial portuguesa e na Frente Ocidental (França). O défice orçamental, a dívida pública e a desvalorização da moeda foram motivo de diversas crises governamentais e de instabilidade política. A depreciação do escudo provocou a fuga de capitais e o aumento dos preços. As reservas de ouro desceram e o país foi obrigado a uma política de austeridade orçamental. O país atravessou grandes dificuldades que estão na base da queda do regime republicano.

E isto, precisamente, quando a situação geral do país já apresentava alguns sinais de melhorias (de facto, a partir de 1923 notava-se alguma atenuação do défice, que permitia o controlo da dívida pública e a estabilização do escudo; notava-se, também, um maior êxito na luta contra o analfabetismo). Mas, as classes urbanas trabalhadoras estavam dececionadas com a política republicana e grande parte das classes médias temia o anarquismo e o bolchevismo. Por isso, apoiaram o novo regime: a Ditadura Militar, que resultou do golpe do 28 de maio de 1926.

A crise económica e a instabilidade política, que se viviam no país, bem como o contexto internacional de regimes autoritários, favoreceram o êxito do golpe militar do 28 de maio de 1926 que pôs fim à Primeira República e iniciou os governos ditatoriais portugueses: Ditadura Militar (1926-1933) e Estado Novo (1933-1974).

De um regime para outro, a personalidade que mais se destacou foi a de António de Oliveira Salazar que, com uma política fortemente repressiva e apoiado pelo partido único (União Nacional) e pela polícia política, se manteve no poder ao longo de 40 anos (1928-1968). As características deste regime eram semelhantes às do fascismo italiano: promoveu o culto do chefe (Salazar foi considerado o “Salvador da Pátria”), instituiu-se a censura na imprensa; organizaram-se grupos de enquadramento ideológico (Mocidade e Legião portuguesas), desenvolveram-se atividades recreativas através da FNAT; propagandeou-se o regime através do SPN (Secretariado de Propaganda Nacional) e da grande Exposição do Mundo Português (1940).

Se até ao final da 2.ª Guerra Mundial, a preponderância de Salazar no governo português beneficiou da complacência da generalidade dos portugueses e até em termos internacionais, após a derrota das ditaduras, personificadas em Hitler e Mussolini, Salazar passou a ser veementemente criticado fora e dentro de Portugal.

 

Figura em destaque

 

Marechal Gomes da Costa (14.1.1863 – 17.12.1929)

Militar colonial, que esteve ao serviço do império português até 1915 (na Índia, Moçambique, Angola e S. Tomé). Foi o Comandante do Corpo Expedicionário Português, na 1.ª Guerra Mundial. É ele que comanda a Marcha de Braga para Lisboa, com o objetivo de depôr o regime republicano. Chega à capital, a cavalo, à frente das suas forças triunfantes, a 6.6.1926. Pouco mais de um mês depois (11.7.1926), foi preso e deportado para os Açores

 

publicado por viajandonotempo às 12:26

Maio 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO