VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Abril 10 2009

Recordando a participação portuguesa na 1.ª Guerra Mundial

Foi há 91 anos a trágica Batalha de La Lys
 

 

Em 1914, quando se iniciou a 1.ª Guerra Mundial, Portugal era um dos 3 países europeus que tinha como regime político uma República. O governo republicano português considerou inevitável a participação portuguesa nesta Guerra, por três ordens de razões: a velha aliança com a Inglaterra, a defesa das nossas colónias africanas e a simpatia pelos regimes políticos dos países que se batiam contra as “potências centrais” governadas por regimes autoritários.
O nosso esforço de guerra foi grande, sobretudo em França, em Moçambique e em Angola. Saldou-se por um enorme endividamento público que trouxe grandes dificuldades financeiras à República que, de crise em crise (política, económica e social), sucumbiria em 28 de Maio de 1926, perante uma ditadura militar, que evoluiria, a partir de 1933, para o “Estado Novo” salazarista e marcelista, que só findou com a revolução de “25 de Abril de 1974”.
As baixas humanas portuguesas na 1.ª Guerra Mundial foram uma consequência ainda mais terrível: 2000 mortos em França (em dois anos de guerra); 4811 mortos em Moçambique (ao longo de 4 anos de combates); 810 mortos em Angola (durante os dois anos de luta). Feridos e incapacitados foram quase 15000 e os desaparecidos atingiram cerca de 6000.
Para esta grande perda humana, a Batalha de La Lys, foi, sem dúvida, a que mais contribuiu e em menos tempo.
Passadas que são mais de 9 décadas (consulte-se a cronologia do Corpo Expedicionário Português 1917-1918), sobre o maior “desastre” militar português, só comparável à Batalha de Alcácer Quibir, há 431 anos, vale a pena recordá-lo, ainda que de forma sintética.
Efectivamente, ontem, dia 9 de Abril de 2009 comemorou-se o 91.º aniversário da Batalha de La Lys, que marcou tragicamente a participação portuguesa na “Frente Ocidental” da 1.ª Grande Guerra, tantos foram os mortos, os feridos e os desaparecidos em combate.
Nesta batalha, a frente de combate estendeu-se por 55 quilómetros, estando o lado dos Aliados guarnecido pelo 11.° Corpo Britânico, do qual faziam parte 84000 homens, entre os quais cerca de 20000 portugueses que integravam a 2.ª divisão do Corpo Expedicionário Português (CEP), superiormente comandado pelo general Gomes da Costa.
Oito divisões do 6.º Exército Alemão, pretendiam concretizar a ofensiva alemã, que visava ultrapassar o rio Lys e tomar as cidades de Calais e Boulogne-sur-Mer.
Os alemães iniciaram um violento bombardeamento de artilharia cerca das 4 horas e 15 da madrugada e apenas em 15 minutos destruíram todas as comunicações por fio entre a “frente” e o quartel-general português. O assalto às trincheiras portuguesas ocorreu por volta das 7 horas. Quatro divisões alemãs, isto é, cerca de cem mil homens, avançaram contra 20000 portugueses.
Apesar de vários exemplos de resistência verdadeiramente heróica, especialmente por parte da 4.ª brigada portuguesa, a verdade é que os soldados portugueses são submersos por esta ofensiva maciça.
Acho pertinente recordar, neste momento, um dos muitos combatentes portugueses que participou nesta trágica batalha – o meu avô materno – José Simões Peras, que viria a falecer com 98 anos de idade.
Contava ele que seu pai, quando chegou a altura do filho ser incorporado pagou um determinado montante, para que ele fosse substituído por outro, prática pelos vistos frequente no início do século XX. Mas, como entretanto se declarou a guerra foi mobilizado, 1.º para Moçambique, mais tarde para a Frente Ocidental, na Flandres francesa. Foi aqui que o seu espírito ficou dramaticamente marcado para toda a vida. Passou por situações de grande aflição, em que, por vezes, era o único sobrevivente e em que teve de comer erva como as ovelhas para matar a fome. Condecorado com a Cruz de Guerra, ficou com problemas graves na vista por volta dos 30 anos, em resultado dos gases que o inimigo alemão atirava sob as trincheiras aliadas.
Nos tempos de descanso, registava as suas memórias, escrevendo um livro que depois andou de mão em mão, e assim se perdeu, sem que eu tivesse alguma vez a oportunidade de lê-lo.
Mas ouvi-lhe muitas histórias, porque a memória delas ficou bem viva até aos seus últimos dias!
 
As tropas portuguesas, ao longo das intermináveis primeiras quatro horas das trinta que a batalha durou, perderam à volta de 7500 homens, contando mortos, feridos, desaparecidos e prisioneiros, entre os quais 327 oficiais e muitas centenas de sargentos.
Há que recordar que os portugueses entraram nesta Guerra, ao lado dos ingleses, porque seus aliados. Nas trincheiras, onde a sobrevivência era dura (frio, fome e humidade), estavam soldados portugueses misturados com os ingleses numa convivência difícil, dada a dificuldade de comunicarem por desconhecimento mútuo das línguas (é preciso lembrar que muitos soldados portugueses nem o ensino primário tinham e, por isso, o desconhecimento da língua inglesa era absoluto).
O exército português desmoralizado e inferior em número foi esmagado. Entre as várias razões que explicam essa estrondosa e dramática derrota são, normalmente, apontadas as seguintes: o facto das tropas inglesas terem recuado nas suas posições, deixando mais vulneráveis os flancos do CEP; o golpe militar sidonista de Dezembro de 1917, que quase abandonou os combatentes portugueses à sua sorte, não fazendo a prevista substituição dos soldados portugueses na “frente”; Sidónio Pais chamou a Portugal muitos oficiais com experiência de guerra que não regressaram ao seu posto de comando e lá fizeram falta; o armamento alemão era muito melhor em qualidade e quantidade que o português e o inglês; e o ataque alemão foi desferido no dia em que as tropas portuguesas tinham recebido ordens para irem para posições à retaguarda.
A terminar, uma palavra para a situação de guerra que os portugueses viveram também nas colónias africanas de Angola e Moçambique, que foram atacadas por soldados alemães e, obrigaram, por isso, ao envio de cerca de 31000 expedicionários metropolitanos e cerca de 3000 africanos para as defender. As vítimas da guerra em África já foram referidas acima.
Finda a Guerra, Portugal teve lugar nas negociações para a paz, na condição de vencedor, mantendo as suas colónias durante mais cinco décadas e meia, mas perdeu a liberdade e a democracia durante quase meio século.

CRONOLOGIA DO CORPO EXPEDICIONÁRIO PORTUGUÊS (1917-1918)

17.1.1917 - O CEP é mandado organizar, como uma Divisão de Infantaria reforçada.
30.1.1917 - A 1.ª Brigada do CEP, sob comando do general Gomes da Costa sai do Tejo a bordo de três vapores britânicos.
2.1.1917 - As primeiras tropas portuguesas chegam a Brest, porto na Bretanha, onde desembarcam.
8.2.1917 - As tropas portuguesas chegam à zona de Thérouane, na Flandres francesa, que será o local de concentração da divisão do CEP.
23.2.1917 - Parte para França o segundo contingente do CEP
4.4.1917 - As primeiras tropas portuguesas entram nas trincheiras. É morto o primeiro soldado português em combate, António Gonçalves Curado.
20.4.1917 - O CEP, concentrado no Norte de França, é reorganizado enquanto Corpo de Exército.
21.5.1917 - O general Norton de Matos, ministro da Guerra, chega a Londres, para regular com o governo britânico a disponibilização de navios para transporte dos reforços militares para o CEP.
30.5.1917 - A 1.ª brigada de infantaria, da 1.ª divisão do CEP, ocupa um sector na frente de batalha.
4.6.1917 - Primeiro ataque alemão ao sector defendido pela 1.ª brigada portuguesa.
16.6.1917 - A 2.ª brigada de infantaria ocupa o seu sector na frente de batalha.
10.7.1917 - A 1.ª Divisão do CEP assume a responsabilidade da sua parte do Sector Português na linha da frente. Estará subordinada ao XI Corpo de Exército britânico comandado pelo general Haking.
31.7.1917 - Terceira batalha de Ypres. O 2.º Exército britânico começa uma ofensiva na zona de Ypres, na Flandres belga, a norte do sector português da frente.
14.9.1917 - O alferes miliciano Gomes Teixeira, à frente do seu pelotão, realiza o aprisionamento de quatro soldados alemães; o primeiro realizado por tropas portuguesas na frente ocidental.
23.9.1917 - A 4.ª brigada de infantaria (a «Brigada do Minho»), parte da 2.ª divisão, entra em sector na linha da frente.
11.10.1917 - Bernardino Machado, presidente da República, chega à zona de concentração do CEP em visita às tropas na frente.
13.10.1917 - Cerimónia de entrega das primeiras Cruzes de Guerra ao CEP. Serão condecorados 10 oficiais, 8 sargentos e 27 cabos e soldados.
5.11.1917 - O Comando do CEP assume a responsabilidade da defesa do Sector Português na frente. Estava subordinado ao 1.º Exército britânico, comandado pelo general Horne.
26.11.1917 - A 2.ª Divisão do CEP assume a responsabilidade da sua parte do Sector Português na frente.

Fevereiro de 1918 - O CEP lamentava 35 mortos, 89 feridos e 44 gaseados.
Março de 1918 - O n.º de mortos eleva-se a 255, 633 feridos e 741 vitimas de gás.
21.3.1918 - Começo da ofensiva alemã na Frente Ocidental, conhecida por «Kaiserschlacht». .
27.3.1918 -  O CEP deveria ter começado a ser rendido. A ofensiva alemã no Somme impede a rendição.
6.4.1918 - É aprovada a reorganização do CEP. A 2.ª divisão, reforçada, tomaria conta do sector português.
9.4.1918 – Dá-se a batalha de La Lys com uma prolongada barragem de artilharia alemã. A 2.ª divisão do CEP é destruída no decurso da batalha.
13.4.1918 - A 1.ª e 2.ª brigadas de infantaria retiram para a nova linha de defesa em construção entre Lilliers e Stennberg.
6.6.1918 - A 6.ª divisão americana contra ataca o exército alemão. É a 1.ª intervenção de uma unidade americana na frente ocidental.
4.7.1918 - A 1.ª Divisão do CEP passa a estar subordinada ao 5.º Exército britânico, comandado pelo general Birdwood.
25.8.1918 - O general Garcia Rosado assume o comando do CEP, em França.
14.10.1918 - O caça-minas Augusto de Castilho, comandando pelo comandante Carvalho Araújo é torpedeado por um submarino alemão.
11.11.1918 - O Armistício proposto pelos aliados é aceite pela Alemanha.
9.12.1918 - Parte para Cherburgo, porto de embarque, o primeiro contingente de tropas do CEP que regressam a Portugal.
publicado por viajandonotempo às 09:38

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
16
18

19
20
21
22
23
24

27
28
30


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO