VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Dezembro 31 2015

Ocupação da Capela do Rato e explosivos na capital

Capela do Rato.png

 Há 43 anos, mais concretamente, no dia 30 de Dezembro de 1972, a propósito da comemoração do Dia Mundial da Paz, um grupo de católicos progressistas organizou, na Capela do Rato, em Lisboa, uma vigília com o tema “A Paz é Possível” durante a qual seria aprovada uma Moção em que reprovava a manutenção da Guerra Colonial.

A Guerra Colonial que, ao tempo, decorria em três frentes, Angola, Guiné e Moçambique, tinha cada vez maior número de opositores na sociedade portuguesa, mormente nos sectores mais esclarecidos e mais directamente afectados pela sua continuidade – a juventude.

Já 3 anos antes – a 1 de Janeiro de 1969 – havia ocorrido algo de semelhante, quando foi ocupada a Igreja de S. Domingos, em Lisboa, igualmente por um grupo de católicos, que desde logo foram apelidados de “progressistas”.

A vigília da Capela do Rato iniciou-se no dia 29 de Dezembro de 1972 e previa um jejum de três dias, a cumprir pelos ocupantes, que assim manifestavam o seu protesto contra a continuidade da Guerra em África. A iniciativa era aberta a todos (crentes e não crentes) que se identificassem com esta luta considerada profundamente injusta.

A Capela do Rato foi escolhida para esta iniciativa porque aí o culto era dirigido pelo Padre Alberto Neto, que era conhecido pela sua luta em prol das causas sociais.

Nos dias seguintes, 30 e 31 de Dezembro, a Capela manteve-se aberta e várias centenas de pessoas participaram em assembleias mais ou menos espontâneas que debateram o problema da Guerra Colonial, condenando-a, juntamente com todos os seus malefícios de ordem económica, social e política. Nessa oportunidade, chegaram a ser afixados nas portas dados reais sobre essa nefasta Guerra, como o número de combatentes portugueses mortos, o número de feridos de uma parte e da outra.

Perante isto a repressão acabaria por se fazer sentir. No final do dia 31 de Dezembro, a polícia cercou a Capela do Rato, com cães-polícias, entrou no templo e forçou as pessoas a saírem, que, sob detenção, foram conduzidas à Esquadra do Rato. Dali, grande parte delas seguiu para instalações do Governo Civil onde passaram a “Passagem de Ano” e nas duas semanas seguintes seriam submetidos a interrogatório policial.

O assunto acabaria por chegar à opinião pública e até à Assembleia Nacional, estando na origem de alguns debates que deram para se perceber que o assunto dividia, de facto, a sociedade portuguesa.

Mas o final do ano 1972 ficou marcado, também, pela detonação de alguns explosivos, cuja responsabilidade seria atribuída à LUAR (Liga de União e Acção Revolucionária). No dia 31 de Dezembro de 1972, o “Diário de Lisboa”, de 2-1-1973, na página 24, sob o título “As Bombas do Dia 31” noticia as bombas que explodiram naquele dia e que feriram 3 crianças, 2 das quais ficaram em estado grave. Segundo aquele diário da capital, houve 12 engenhos explosivos, que foram colocados em locais públicos de Lisboa e do Barreiro e explodiram cerca das 17 horas. O objectivo era o lançamento de panfletos de propaganda política. As bombas eram de pequena potência e estavam munidas de dispositivos de relógio. As bombas «explodiram na estação de Santa Apolónia (dois petardos, um no exterior, outro na entrada da gare), na estação do Cais do Sodré (duas cargas também, uma na caixa do correio fronteiro ao edifício, outra no interior), no Jardim da Parada (Campo de Ourique), R. da Beneficência, no Rego, nas Amoreiras, em Benfica, em Algés e no Barreiro (junto dos sanitários da bancada central do campo do Barreirense, depois de terminado o desafio entre este grupo e o Vitória de Setúbal), além da Estação de Sul e Sueste e de Moscavide».

O Diário de Lisboa de 6 de Janeiro, 1.ª página sob o título “Explosões em Lisboa” noticia que petardos de pequena potência, destinados a espalhar panfletos de propaganda política deflagraram às 8h50 daquele dia em vários locais de Lisboa e uma teria sido desarmadilhada a tempo na passagem subterrânea do Metro, no Rossio.

publicado por viajandonotempo às 19:38

Dezembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO