VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Novembro 28 2020

A PORTUGUESA TORNOU-SE HINO NACIONAL

Hino Nacional.png

No passado dia 17 de novembro fez 110 anos que o Governo Provisório da República, passados apenas um mês e 7 dias sobre o “5 de Outubro” determinou que “A Portuguesa”, composta há alguns anos por Alfredo Keil, passasse a ser o Hino Nacional.

Alfredo Keil (1850-1907) foi um artista multifacetado que se dedicou à arte pictórica, ao desenho e à literatura mas também foi compositor e, nessa qualidade, compôs a música do atual Hino Nacional português. Já a sua letra é da autoria do dramaturgo e oficial da armada, Henrique Lopes de Mendonça (1856-1931).

É preciso não esquecer que “A Portuguesa” foi escrita e composta num momento particularmente conturbado da História de Portugal, quando a nossa velha aliada Inglaterra nos fez um Ultimato, por causa dos seus interesses em África colidirem com os nossos no mesmo continente.

A “Questão do Ultimato Inglês” resulta diretamente do “Mapa Cor-de-Rosa” português, proposto pela Sociedade de Geografia de Lisboa (1881) que pressupunha a ocupação dos territórios entre Angola e Moçambique. A Inglaterra, interessada também naquela área, dirigiu o tal Ultimato a Portugal advertindo que, no caso do não cumprimento das exigências inglesas, ela as imporia pelo uso da força. O governo português, como é evidente, não tinha outra alternativa que não fosse ceder, o que contribuiu, de facto, para uma quebra no orgulho nacional e os republicanos aproveitaram esse desaire monárquico para propagandear na opinião pública portuguesa a ideia de que a Monarquia não conseguia defender os interesses nacionais, reivindicando, por isso, a urgência da mudança de regime.

Nesse tempo, Portugal vivia momentos particularmente difíceis. Uma grave crise financeira assolava o país desde 1880, a que se juntava uma crise económica aguda por causa da dependência portuguesa no que respeita a matérias-primas, a capitais privados estrangeiros e evidenciava-se um completo descontrolo da dívida externa que quase provocou a bancarrota.

Neste mundo de dificuldades por que passava o Portugal Monárquico, intensificava-se a difusão da ideologia republicana, que prometia ter solução para todos os males de que Portugal padecia, e isso levou à adesão das classes médias.

O dia 10 de Junho, por exemplo, com a comemoração da morte de Camões passou a ser aproveitado pelos Republicanos para manifestarem a sua desconfiança face à possível desagregação da Nação e da Independência. E para mostrar o descontentamento face ao regime decrépito da Monarquia, dá-se, no Porto, a 1.ª tentativa revolucionária republicana no 31 de Janeiro de 1891, tornando-se “A Portuguesa” a marcha dos revoltosos desse dia, que acabaria por ser proibida pelo regime monárquico.

Já no século XX, a Ditadura de João Franco (1907), e o Regicídio (1-2-1908) contribuíram bastante para o desgaste monárquico.

Só com a implantação da República em Lisboa, na sequência da Revolução de 5 de Outubro de 1910, “A Portuguesa” voltou a ser cantada e escutada. No dia 17 de novembro de 1910, o Ministério da Guerra decidiu torná-la no Hino Nacional, e determinou que sempre que fosse executada, todos os militares presentes, quando fardados, deviam fazer continência e, se estivessem vestidos à civil, deveriam tirar o chapéu ou boné, e nos dois casos conservar-se de pé até ao fim da sua execução. A aprovação da versão oficial só se viria a dar, no entanto, em 1957, através da resolução do Conselho de Ministros publicada no Diário do Governo, 1.ª série, n.º 199, de 4 de setembro de 1957.

publicado por viajandonotempo às 17:03

Novembro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27

29
30


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO