VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Novembro 10 2013

SE FOSSE VIVO, O HISTÓRICO SECRETÁRIO-GERAL DO PCP,

FARIA HOJE 100 ANOS


Álvaro Cunhal (1913-2005)


Hoje, 10 de novembro de 2013, completam-se cem anos sobre o nascimento de Álvaro Cunhal. Concorde-se ou não com as suas ideias políticas, a verdade é que se trata de uma referência portuguesa da luta antifascista, ao longo do século XX.

Álvaro Barreirinhas Cunhal nasceu em Coimbra, na freguesia da Sé Nova. A sua infância, contudo, seria vivida na Serra da Estrela, mais concretamente em Seia, terra de seu pai. Aos onze anos mudar-se-ia, com a família, para Lisboa, onde frequentaria o ensino secundário. Aos dezassete anos, entraria na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, tendo iniciado a sua atividade política, com a filiação no Partido Comunista Português, onde se manteria ativo até ao fim da vida.

Em 1934, no início do Estado Novo salazarista, é eleito representante dos estudantes no Senado Universitário e, dois anos depois, integra o Comité Central do PCP, seguindo para Espanha onde tomaria parte nos primeiros meses da guerra civil espanhola, ao lado das forças fiéis à “Frente Popular” que tinha ganho as eleições.

Homem coerente e fiel ao seu ideário político é dono de uma vasta cultura que toca diversas áreas, para além da eminentemente política, como sejam as artes plásticas, a história, a economia ou a literatura.

Ao longo da vida, é preso várias vezes: 1937, 1940 e 1949.

Da primeira vez, Álvaro Cunhal tinha apenas 24 anos e foi preso no regresso da Guerra Civil de Espanha. Ele próprio conta o que lhe fizeram no Aljube:

«Espancaram-me durante horas inteiras até perder os sentidos e ser assim levado para um segredo isolado, estar ali prostrado algumas semanas, ver a cara ao espelho ao fim de quinze dias e não a reconhecer, o corpo todo negro. Mas eu fiquei vivo, outros morreram. Depois de me terem assim espancado longo tempo, deixaram-me cair, imobilizaram-me no solo, descalçaram-me sapatos e meias e deram-me violentas pancadas nas plantas dos pés»

A última passagem pelo cárcere durou 11 anos, 8 dos quais em total isolamento, no Forte de Peniche. Em 1960, finalmente, protagonizaria a espetacular fuga dessa Prisão, que teria grandes repercussões ao nível da vida interna do Partido, uma vez que resgatou alguns quadros destacados para as suas fileiras.

Em 1961 é eleito Secretário-geral do Partido Comunista Português (cargo que ocuparia até 1992). Depois de alguns anos a viver na clandestinidade, regressaria a Portugal após o derrube do regime fascista, por intermédio da revolução desencadeada pelos militares, no dia 25 de Abril de 1974.

Faria parte dos I, II, III e IV governos provisórios, como Ministro sem pasta, e foi eleito deputado à Assembleia Constituinte em 1975 e, sucessivamente, reeleito para a Assembleia da República, em todas as eleições legislativas até 1992. Nesse ano deixou o cargo de Secretário-geral do PCP, sendo eleito pelo Comité Central para Presidente do Conselho Nacional do Partido.

A sua intervenção política passou ainda por uma intensa atividade jornalística, com uma profícua colaboração, ao longo da década de 1930, em diversos jornais e revistas, de que destacamos "O Diabo"; "Sol Nascente"; "Seara Nova"; "Vértice"; em quase todas as publicações clandestinas do PCP, "Avante" e "Militante”; e ainda por uma intensa produção teórica e política de estudo, análise e reflexão sobre a realidade do país e as práticas do Partido.

A par da sua atividade política e ideológica, assumiu uma faceta literária e artística de relevo, com a elaboração das séries “desenhos da prisão”, a tradução e ilustração de obras de William Shakespeare, a produção de obras históricas de análise social, como “As Lutas de Classes em Portugal nos Fins da Idade Média”, a “Contribuição para o Estudo da Questão Agrária” e “Cinco notas sobre forma e conteúdo”. São ainda deste período algumas das suas obras de ficção mais conhecidas, como “Até Amanhã, Camaradas” e “Cinco Dias, Cinco Noites”, posteriormente adaptadas à televisão e ao cinema, escritas sob o pseudónimo de Manuel Tiago. Podemos acrescentar a estes títulos “A Estrela de Seis Pontas”, “A Casa de Eulália” e “Fronteiras” como obras maiores de Álvaro Cunhal.

Álvaro Cunhal, uma referência intelectual que não pode ser esquecida, morreu a 13 de Junho de 2005, em Lisboa, com 91 anos, mobilizando as suas cerimónias fúnebres muitos milhares de pessoas.

publicado por viajandonotempo às 11:20

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
29

30


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO