VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Junho 30 2014

Quase seis décadas a ajudar a cultura portuguesa

 

Biblioteca Itinerante da Fundação Calouste Gulbenkian

 

 

Bem se pode dizer que a arte de bem receber, tão genuinamente portuguesa, está na origem da Fundação Calouste Gulbenkian, com sede em Lisboa, desde 1955.

Efetivamente, Calouste Sarkis Gulbenkian visitou Portugal durante a 2.ª Guerra Mundial e gostou da paz e bem-estar que aqui pôde desfrutar escolhendo viver os últimos 13 anos de vida entre nós.

Calouste Sarkis Gulbenkian nasceu em Scutari, Istambul, a 23 de março de 1869, no seio de uma família de ricos comerciantes arménios fixados em Istambul. Os seus estudos prosseguiriam no King's College, em Londres, onde em 1887 concluiria o curso de Engenharia e Ciências Aplicadas.

Quatro anos mais tarde, fez uma viagem à Transcaucásia, para visitar os campos petrolíferos na região de Baku, na sequência da qual surgiu uma publicação que levou o governo do Império Turco Otomano a convidá-lo para elaborar um Relatório sobre os campos petrolíferos do Império. E começava assim o envolvimento deste homem, dinâmico e hábil negociador, nos interesses petrolíferos. Mobilizou para este negócio os interesses ingleses e franceses no 1.º quartel do século XX.

A sua vida passá-la-ia mais no Ocidente, entre Londres (em 1902 opta mesmo pela nacionalidade britânica) e Paris, sempre ligado ao Oriente e ao negócio do petróleo, onde tinha interesses diretos e de que foi um dos precursores, bem como um importante intermediário entre o Oriente e o Ocidente, não só na causa comercial, mas também na causa política e social.

E foi no âmbito deste intercâmbio que um dia veio a Lisboa. Estávamos em plena 2.ª Guerra Mundial (1942). Entrou em Portugal a convite do embaixador português em Paris. O destino era os Estados Unidos da América, mas Calouste adoeceu, teve de permanecer mais tempo do que queria e isso foi o suficiente para poder apreciar a paz e conhecer a gentileza do povo português.

Assim, a sua residência fixar-se-ia em Lisboa, no Hotel Aviz. A sua forma de ser granjeou-lhe, oito anos depois (1950), a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo, com que foi agraciado pelo Estado português.

Três anos mais tarde, a 18 de junho de 1953 – fez agora 59 anos –, Calouste Sarkis Gulbenkian assina o testamento que determina a criação da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, donde extraímos os seguintes excertos:

«No ano de mil novecentos e cinquenta e três, aos dezoito de Junho, em Lisboa e na Rua Latino Coelho, número três, aonde vim especialmente chamado para este acto, eu, o notário do concelho, Fernando Tavares de Carvalho, com cartório na Rua da Conceição, número cento e trinta e um, primeiro andar, perante mim, o sobredito notário e as duas testemunhas idóneas, ao diante nomeadas e assinadas, compareceu: Calouste Sarkis Gulbenkian nascido em Scutari, Istambul, actualmente súbdito britânico, filho de Sarkis Gulbenkian e de Dirouhi Gulbenkian, viúvo, proprietário e domiciliado em Lisboa, nesta casa, pessoa do meu conhecimento e cuja identidade certifico (…)

Que, todavia, no que respeita à Fundação a que mais tarde fará referência, pretende que a sua criação, assim como o seu funcionamento sejam regulados, exclusivamente, pela lei portuguesa, uma vez que é nos termos desta lei que ele deseja institui-la e que a mesma seja mantida; (…)

Pelo presente testamento é criada, nos termos da lei portuguesa, uma Fundação, que deverá denominar-se «Fundação Calouste Gulbenkian». As bases essenciais dessa Fundação são as seguintes:

a) É portuguesa, perpétua, a sua sede é em Lisboa, podendo ter, em qualquer lugar do mundo civilizado, as dependências que forem julgadas necessárias;

b) Os seus fins são de caridade, artísticos, educativos e científicos; (…)

O património da “Fundação Calouste Gulbenkian” será constituído:

a) Por todos os bens da herança do testador, seja qual for a sua natureza e lugar da sua situação, a que, por este testamento ou outro posterior, ele testador não der destino diverso; (…)».

 

Calouste Gulbenkian morre, dois anos depois, em Lisboa, com 86 anos (a 20 de julho de 1955). O seu carácter filantrópico não pôde esquecer também o povo arménio, deixando-lhe verbas para proteção das comunidades arménias e para a expansão do seu culto religioso (Igreja Ortodoxa Arménia) que ele também professou.

Para muitos de nós nascidos nos meios rurais, a biblioteca itinerante Calouste Gulbenkian foi o primeiro contacto com uma diversidade de livros que de outra forma era completamente impossível. A sua fundação é uma referência na cultura portuguesa, dispondo de uma orquestra, bibliotecas, coro, salas de espetáculos e dois museus (Arte Antiga e Contemporânea). Obrigado, Calouste Gulbenkian.

 

 

 

publicado por viajandonotempo às 15:44

Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO