VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Dezembro 31 2021

Levou a pensar-se mudar a capital novamente para Coimbra

Em dezembro de 1921, há um século, o país continuava numa situação crítica de contínua agonia, provocada ainda pelos efeitos devastadores que teve a “Noite Sangrenta” na classe política e na sociedade civil. Era difícil o governo permanecer em funções (um ou dois meses era o tempo que durava em média) e era difícil substituí-lo. Viveu-se um clima de iminente guerra civil tendo valido a respeitada figura de António José de Almeida, o único Presidente da República que cumpriu um mandato completo na Primeira República. A vida política esteve tão complicada em Lisboa que se levantou a hipótese de tornar Coimbra novamente capital, ela que o foi no tempo em que Portugal conquistou aos Mouros as terras que vão do Mondego ao Algarve.

Imagem daa antiga cidade de Coimbra.jpg

Imagem da antiga cidade de Coimbra

Efetivamente os anos da década de vinte do século passado foram muito complicados, com a conflitualidade política e socioprofissional a assumir contornos de grande violência, que não raro vitimava também inocentes, atingidos por bombas lançadas pela ala anarcossindicalista que tinha grande expressão, sobretudo, na capital.

Em meados de dezembro de 1921, o Coronel Maia Pinto (natural do Porto e oficial do Exército foi um dos combatentes portugueses na Primeira Guerra Mundial) que chefiava o Governo há cerca de 40 dias pediu a demissão, passando mais uma vez a responsabilidade de escolher sucessor para o Presidente da República, António José de Almeida (natural de Penacova, Coimbra, foi fundador do jornal “República”, em 1911, e do Partido Evolucionista, em 1912). A imprensa por esses dias avança diversos nomes para chefes de Governo, muitos deles também militares (parecia pronunciar-se, cinco anos antes, a Ditadura Militar, que em 1926 havia de pôr fim a esta primeira experiência democrática da vida pública portuguesa que deu pelo nome de “República”).

Alguns dos nomes aventados foram, por exemplo (segundo “A Capital”, de 13 de dezembro) Mesquita de Carvalho, o Coronel Manuel Maria Coelho ou o General Gomes da Costa. Nos dias seguintes o nome mais ventilado foi o de Cunha Leal, também ele militar, que granjeou prestígio com o “19 de Outubro” (tendo ainda sido ferido, acabou por escapar com vida) como se demonstra pelas seguintes palavras publicadas na 1.ª página do “Diário de Lisboa” de 19 de dezembro: «O gabinete de Cunha Leal aceitou as responsabilidades tremendas do poder na hora gravíssima em que a confusão era dona dos espíritos e o confrangimento dictador das almas. / Emquanto toda a gente  olhava numa desconfiança mutua e num terror do dia de amanhã, justificado pelas convulsões passadas, surgiu um homem que conseguiu organizar um governo apoiado por todos aqueles republicanos para quem a palavra republica não é sinonimo de escaramuça permanente. Esse homem que durante uma noite de desvairo em que o proprio luar foi côr de sangue, adquiriu pela nobreza dum acto de solidariedade que muito poucos praticariam, a estima profunda de todos os portuguezes».

No dia em que Cunha Leal tomou posse, “A Capital” (16 de dezembro de 1921) publicava na primeira página o título “MOMENTO POLITICO” e os subtítulos: O MINISTERIO / está organizado / Ultimas informações acerca dos incidentes politicos dos ultimos dias. - Projectou-se transferir o governo da Republica para Coimbra. - As eleições far-se-hão no dia 8 de janeiro, dizem os politicos mais categorizados. - A ordem publica e as disposições das forças armadas. - O sr. Cunha Leal irá até onde fôr preciso!...»

Os membros do novo governo que, bem à moda do tempo, esteve no poder quase dois meses, foram os seguintes: Cunha Leal, Presidência e Ministério do Interior; Juiz Costa Gonçalves, Ministério da Justiça; Vitorino Guimarães, Ministério das Finanças e interino do Ministério do Comércio; Mariano Martins, Ministério da Agricultura; Rego Chaves, Ministério das Colónias; Júlio Dantas, Ministério dos Negócios Estrangeiros; Alves dos Santos, Ministério do Trabalho; Comandante Manuel de Carvalho, Ministério da Marinha; Coronel Freiria, Ministério da Guerra; e Ruy Teles Palhinha, Ministério da Instrução.

Retomando a peça de “A Capital”, aí se escreve que o país tinha estado na iminência de uma guerra civil «após o pronunciamento militar de 19 de outubro, tão profundamente desprestigiado pelos horrores da noite tragica, o vacuo estabeleceu-se não regiões governamentais. (…) Esta situação de asfixia pela rareação da atmosfera politica tornou-se intoleravel ao governo de Maia Pinto, cuja vida de arrastava precariamente não dispondo o governo, muitas vezes, do pessoal indispensavel para manter a maquina politica dos governos civis e das administrações dos concelhos.

Procurou o ministério Maia Pinto romper o isolamento com o decreto do adiamento eleitoral esperançado em que os partidaristas prefeririam aproximar-se dele a lançarem-se numa luta ingrata embora caracterizadamente legalista. Enganou-se o governo: os partidaristas encarreiraram para o caminho da resistência, não obstante a oposição que encontraram nos directorios. Uma forte corrente de opinião manifestou-se no sentido de se reunir o Congresso e, após trabalhos preparatórios, foi escolhida a cidade de Coimbra como sede do Parlamento. Este devia reunir amanhã, sábado. Teria a apoiá-lo toda a força publica do norte do paiz (…) É evidente que, resistindo Lisboa – ou, antes, a força material que nesta cidade se localisa – a guerra civil poderia vir a esboroar-se e, uma vez, começada, muito difícil seria saber quando e como terminaria.

Se não fossem as diligencias pessoais que o Chefe de Estado empregou, já há tempos que a contra-revolução teria deflagrado. Houve um instante em que ela pareceu inevitavel. O sr. Presidente da Republica conseguiu convencer os contra-revolucionarios a que era preferivel esperar algum tempo, porque tudo virá a resolver-se dentro das leis e em conformidade com os sentimentos pacíficos da grande maioria dos portuguezes, que apenas desejam que se lhes permita exercer as suas actividades profissionais (…)».

É interessante, mas não é muito surpreendente, que os congressistas tenham pensado em Coimbra como nova capital de Portugal, para escapar à violência que assolava Lisboa. Coimbra que foi a capital do Reino na fase da Reconquista (entre o princípio da nacionalidade e a conquista do Algarve). Só em 1255, D. Afonso III mudou a capital para Lisboa, depois da definitiva conquista de Silves, já quase em meados do século XIII. Na verdade, criado o Condado Portucalense, sob gestão do Conde D. Henrique e de D. Teresa, estes passaram a viver em Coimbra, onde se pensa terá nascido o 1.º rei de Portugal, D. Afonso Henriques, que também aí foi sepultado (Igreja do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, 1.º Panteão Nacional).

De facto, a província começava a reivindicar algum protagonismo político, uma vez que Lisboa descarrilava cada vez mais para a desordem e para a violência.

Um dos frequentes alertas é dado na 1.ª página do “Diário de Lisboa” de 20 de dezembro de 1921 e aí fica: «Saiba-se que a provincia – e com carradas de razão – se mostra cada vez menos disposta a assistir como mero espectador ás brigas e tramoias travadas ou urdidas na capital. Fixe-se isto bem! O regionalismo tem uma das causas do favor que vai encontrando por toda a parte nesta resistência que, até 19 de outubro, era mais nominal que real. / Para que se não converta em torrente impetuosa o que é ainda um simples regato, exige-se que os partidos se dirijam ao eleitorado com a isenção patriotica de só trabalharem pelo bem comum.»

 

publicado por viajandonotempo às 10:01

Abril 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Abril 2022

Março 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO