VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Outubro 30 2019

As greves do pós-Guerra em Portugal

Greve ferroviária.png

Bombas, incêndios e descarrilamentos faziam parte da agitação grevista que atormentou o Portugal de 1919 e 1920

Os anos que se seguiram ao final da Primeira Guerra Mundial ficaram marcados por uma onda de enorme agitação social que teve repercussões políticas provocando, em Portugal, uma grande instabilidade governativa. Em 1919 contabilizaram-se 362 greves, o que dá, praticamente, uma média de uma greve por dia.

A título de exemplo, recordamos a Greve Geral do operariado que teve lugar entre 16 e 18 de junho de 1919. As discórdias laborais tiveram início nas fábricas da Companhia União Fabril (CUF), onde os trabalhadores entraram em conflito com o patrão, Alfredo da Silva, e geraram um movimento de solidariedade operária, muito frequente à época. O Governo para tentar acabar com estas greves decidiu encerrar as instalações da União Operária Nacional e o jornal diário “A Batalha”.

No dia 2 do mês seguinte (julho) foi a vez de se iniciar a greve dos ferroviários que se prolongou por dois meses, com ocorrências de grande violência. Explodiram bombas na estação do Rossio, houve tiros no Entroncamento e descarrilamentos de comboios. Houve tumultos, em Lisboa. Para evitar outros atos de sabotagem, tais como descarrilamentos, o governo obrigou os grevistas a viajarem num vagão aberto à frente da locomotiva, que ficou conhecido como “vagão fantasma”.

Estas greves gerais, estes atentados contra a segurança das pessoas, sobretudo nos meios urbanos onde o número de operários era maior e também a sua organização sindical, são o reflexo crescente da real deterioração das condições sociais, que ocorreram depois da Guerra e se manifestaram em elevadas taxas de inflação, desvalorização da moeda e grande quebra no poder de compra, tudo condições favoráveis à eclosão revolucionária. Aliás, esta radicalização dos movimentos sociais é também explicada pelo impacto do Socialismo Revolucionário na sociedade europeia.

Efetivamente, a Revolução Bolchevique assustou as classes dirigentes dos países ocidentais que temiam a perda dos seus privilégios e dos seus bens. A Revolução Russa, que triunfou em Petrogrado em outubro de 1917, impulsionou por toda a Europa um fervor revolucionário que afetou, sobretudo, os operários, soldados, camponeses e alguns intelectuais. A III Internacional, com a sua propaganda, muito contribuiu para o aparecimento de partidos comunistas e de movimentos de esquerda revolucionários, na Europa e no Mundo. Mas, na verdade, nesta conjuntura do pós-Guerra, apenas saiu vitoriosa a Revolução Russa.

Na maior parte dos países europeus, mesmo naqueles de recente formação (após o desmembramento dos impérios no pós-Guerra), assistiu-se a uma radicalização dos movimentos político-sociais que levou à instauração de regimes ditatoriais na maior parte dos países europeus. Foi o caso da Itália, Espanha, Turquia, Bulgária, Grécia, Polónia, Lituânia, Jugoslávia e também Portugal, onde a Primeira República chegaria ao fim, no dia 28 de Maio de 1926, com o Golpe Militar comandado pelo General Gomes da Costa, iniciando-se a Ditadura Militar que seria continuada com a ditadura do Estado Novo.

As greves do pós-Guerra em Portugal evidenciam uma relação entre o movimento operário e as dificuldades reais que se viviam, mas há também notórios objetivos de ordem política que, em última instância, levaram ao “28 de Maio de 1926”.

publicado por viajandonotempo às 20:28

Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29


ÍNDICE DESTE BLOG:
posts recentes

O país em ebulição

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO