VIAJANDO NO TEMPO...e no espaço!

Dezembro 27 2016

"Tratado de Commercio entre El-Rei. D. Pedro II de Portugal e Anna Rainha de Gram Bretanha"

john Methuen.png

John Methuen, o embaixador inglês em Lisboa, no princípio do séc. XVIII, que se encarregou de negociar a assinatura do Tratado que ficou com o seu nome

 

Em 27 de dezembro de 1703, há 313 anos, foi assinado, entre Portugal e a Inglaterra, o Tratado de comércio que ficou com o nome do embaixador inglês John Methuen, irmão de um empresário têxtil, que o negociou, ficando-lhe a “fama” de ter pago elevados valores aos que intervieram direta e indiretamente na sua concretização. Da parte portuguesa, estiveram mais diretamente envolvidos na elaboração dos seus termos, o diplomata português em Londres, D. Luís da Cunha e D. Manuel Teles da Silva, o 1.° Marquês de Alegrete, Vedor da Fazenda, que era proprietário vinícola.

Este tratado que tinha também objetivos de ordem militar, consolidando a velha aliança entre Portugal e a Inglaterra, obedecia sobretudo a imperativos de ordem económica, até porque Portugal intensificava a exploração de ouro no Brasil e, com este tratado, a Inglaterra conseguiria cada vez maiores superavits nas contas com Portugal, que tinham de ser ressarcidos em ouro.

De facto, o Tratado de Methuen não pode ser descontextualizado da sua conjuntura histórica, uma vez que também pretende solucionar questões geoestratégicas do interesse de Portugal. Assim, ele vem fortalecer os Tratados de Aliança defensiva e de aliança ofensiva e defensiva, assinados em 16 de maio de 1703, junto às potências da Grande Aliança – Inglaterra, Províncias Unidas e Sacro Império – que procuram resolver a questão de segurança imposta pela Guerra de Sucessão Espanhola, em que Portugal esteve envolvido.

Os 3 artigos do Tratado de Comércio entre El-Rei D. Pedro II de Portugal e Ana Rainha da Grã Bretanha estabeleciam:

«Art. 1. Sua Sagrada Magestade ElRey de Portugal promette tanto em Seu próprio Nome, como no de Seus Sucessores, de admitir para sempre d’aqui em diante no Reyno de Portugal, os Panos de lãa, e mais fabricas de lanifício de Inglaterra, como era costume até o tempo que forão prohibidos pelas Leys, não obstante qualquer condição em contrario. Art. II. He esitpulado, que Sua Sagrada e Real Magestade Britannica, em Seu próprio Nome, e no de Seus Successores será obrigada para sempre, d’aqui em diante, de admittir na Gram Bretanha os Vinhos do producto de Portugal, de sorte que em tempo algum (haja Paz ou Guerra entre os Reynos de Inglaterra e de França) não se poderá exigir de Direitos de Alfandega nestes Vinhos, ou debaixo de qualquer outro Título, directa ou indirectamente, ou sejam transportados para Inglaterra em Pipas, Toneis, ou qualquer outra vasilha que seja; mais que o que se costuma pedir para igual quantidade, ou de medida de Vinho de França, diminuindo ou abatendo huma terça parte do Direito de costume. Porem, se em qualquer tempo esta dedução, ou abatimento de Direitos, que será feito, como acima he declarado, for por algum modo infringido e prejudicado, Sua Sagrada Majestade Portuguesa poderá, justa e legitimamente, prohibir de lãa, e todas as mais fabricas de lanifício de Inglaterra. Art III. Os Ex.ᵐᵒˢ Senhores Plenipotenciarios promettem, e tomão sobre si, que Seus Amos acima mencionados ratificarão este Tratado, e que dentro do temo de dous Mezes se passarão as Ratificações.»

Neste tempo a doutrina económica em voga, o denominado mercantilismo, defendia que a riqueza de um país se media na quantidade de metais preciosos que possuísse. Assim, quem não tinha ouro ou prata no território que controlava, tentava investir na produção interna em quantidades excedentárias para poder exportar em maior valor do que importava e assim receber a diferença em metais preciosos.

Portugal viveu na 2.ª metade do século XVII uma situação comercial particularmente crítica, com a descida do preço do açúcar e tabaco brasileiros nos mercados europeus; esta crise agravou-se na década de 1670 devido à concorrência do açúcar produzido, então, nas Antilhas inglesas e holandesas o que levou o Conde de Ericeira, D. Luís de Meneses, a implementar um conjunto de medidas com o objetivo de proteger a nossa economia. Algumas destas medidas foram a Pragmática de 1677, a introdução de indústrias manufatureiras, a concessão de créditos para a sua instalação, a criação de companhias monopolistas de comércio, a promulgação ainda de novas leis pragmáticas, a política de desvalorização monetária e o incentivo e proteção às indústrias.

Grande parte das medidas implementadas promoveu a produção manufatureira nacional, dando trabalho aos portugueses e poupando a balança comercial portuguesa no que respeita ao custo das importações. Como afirmava Duarte Ribeiro de Macedo «A importância da circulação do dinheiro na sociedade é igual à circulação do sangue no corpo humano», daí a relevância deste investimento nas indústrias nacionais.

Estas iniciativas acabaram por fracassar e para isso muito contribuiu o Tratado de Methuen, nos termos que atrás se viram, porque Portugal abriu a sua economia à livre importação dos têxteis britânicos que chegavam ao mercado português pagando apenas 2/3 de direitos alfandegários, em troca de igual privilégio fiscal para os vinhos portugueses que seguiam para Inglaterra. É óbvio que tal tratado se evidenciaria mais favorável aos interesses ingleses do que aos interesses portugueses, 1.º, porque os seus produtos eram unitariamente mais caros que os nossos; e 2.º, porque nós poderíamos, sem grandes dificuldades, produzir aqui os têxteis que importávamos (como se fizera no período da crise), mas os ingleses, mesmo que o tentassem, não podiam produzir na Inglaterra vinhos iguais aos nossos, por razões climáticas. Segundo Coelho da Rocha, logo no primeiro ano de vigência deste tratado as exportações inglesas para Portugal “subiram no valor de 1 300 000 libras”, ou seja 13 milhões de cruzados.

Mais tarde, o Marquês de Pombal adotaria políticas mercantilistas e protecionistas na agricultura, no comércio e na indústria e o Setembrismo, triunfante em 1836, tomou igualmente medidas protecionistas para a economia portuguesa que puseram definitivamente um fim ao Tratado de Methuen.

publicado por viajandonotempo às 10:48

Dezembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
28
29
30
31


ÍNDICE DESTE BLOG:
arquivos

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Tags

todas as tags

pesquisar
 
mais sobre mim
contador
blogs SAPO